Revolta contra Deus

Quase toda a revolta contra Deus não passa de uma birra juvenil.

Da mesma maneira que o adolescente enxerga nos pais o reflexo de sua própria impossibilidade, pois eles são, ao mesmo tempo, seu limite e seu freio, o revoltado vê em Deus sua própria insignificância e pequeneza, o que para seu ego inseguro lhe é insuportável.

Quase todo ateísmo não é mais do que uma expressão obsessiva por mostrar-se independente, tentando deixar claro para todo mundo que não vive sob as asas da autoridade divina.

É um esforço infantil por apresentar-se como dono de si mesmo, como senhor de seu próprio destino, como alguém que não precisa dar contas a ninguém.

Sempre quando vejo um ateu, lembro-me de minha adolescência, quando ameaçava meus pais de que iria sair de casa, arrumando minha mochila velha e enchendo-a com minhas tralhas inúteis.

No fundo, eu sabia que, por mais que eu os ameaçasse, por mais que eu reclamasse de sua suposta opressão, por mais que eu dissesse que queria minha liberdade e viver minha própria vida, lá no fundo eu sabia que dependia deles para tudo e que toda minha demonstração de rebeldia era apenas uma forma de sentir-me senhor de mim mesmo. Restava, então, se trancar no quarto e praguejar.

Os ateus militantes que me desculpem, mas eu não consigo olhar para eles e deixar de ver apenas crianças rabugentas, que batem os pés, que choram, só porque não podem fazer todas as besteiras que têm vontade.

Militância teológica

Um dos motivos do meu afastamento dos debates doutrinais-teológicos (e mesmo das conversas sobre teologia) foi minha percepção da insensibilidade generalizada em relação às nuances teóricas dos temas religiosos, que é quase a regra nesse tipo de situação.

Minha paciência esgotou-se ao ver tantas pessoas inteligentes se arrogando no direito de discutir assuntos tão sérios, como os teológicos, posicionando-se como meros militantes políticos, dispostos a tudo para vencer o debate, impassíveis em suas posições e incapazes de analisar os argumentos opostos dentro da perspectiva dos próprios opositores, o que seria um pressuposto óbvio da atuação inteligente em qualquer discussão.

O pior é vê-los, diante de diferenças sutilíssimas de interpretação, tratarem as ideias adversárias como absurdas, estapafúrdias. Agem, diante do detalhe, como se estivessem defronte o pensamento mais extravagante.

Os debates entre calvinistas e arminianos são o exemplo exato disso. Mas essa realidade pode ser estendida às conversas entre os cristãos de qualquer vertente.

É impressionante como ideias tão próximas, tão congêneres, podem ser tratadas como se fossem pólos diametralmente opostos e seus defensores acusarem-se mutuamente de exporem absurdidades.

A verdade é que um sinal claro de inteligência é a capacidade de percepção e separação, de um lado, das ideias que são absurdas, que se manifestam como um verdadeiro nonsense, e de outro, daquelas que, apesar de constarem no repertório adversário, possuem uma coerência interna que, no mínimo, deveria merecer respeito.

E o fato é que a grande maioria dessas teses teológicas são deste último tipo, dificilmente podendo ser consideradas absurdas em si mesmas. Todas elas, de alguma maneira, encontram sua razão em algum fundamento reconhecível, seja no texto, seja na lógica, seja no bom senso, seja na história.

Portanto, não perceber isso e tratar tudo o que não está de acordo com as próprias convicções como estupidez (que é o que boa parte dos debatedores teológicos fazem), é sinal claro de fanatismo comum à arena política, além de ser uma demonstração evidente de obtusidade.

Não há relação intelectual sadia com quem age dessa maneira. Pior ainda, essa atitude impede o próprio desenvolvimento da inteligência, pois a desconsideração do argumento adversário, principalmente pela incapacidade de reconhecer nele sua lógica própria, ainda que não concordando com ela, é praticamente a própria definição de ignorância.

Autismo intelectual

Boa parte das pessoas com quem tenho contato argumenta muito mal. No entanto, percebo que o maior problema delas não está na forma como concatenam suas ideias, mas argumentam mal porque ouvem muito mal.

Apesar de identificar não ser incomum que muitos desses argumentadores possuam deficiências cognitivas sérias, ainda percebo que o maior problema que carregam é um severo autismo intelectual.

E com autismo intelectual quero dizer de uma tendência a, mesmo quando participantes de debates e discussões, onde pressupõe-se que todos os envolvidos devem ser considerados em suas exposições, fechar-se dentro de sua própria cabeça, revolvendo-se unicamente em seus próprios raciocínios, ignorando completamente as razões do que é dito pelos outros.

E como é típico do autismo, o que os outros expressam não é compreendido em toda sua força argumentativa e lógica, mas apenas em sua expressão mais superficial, causando, no autista intelectual, uma reação que nada tem a ver com o objeto da disputa, mas apenas com o mundo interno que o acompanha.

Por isso, acredito que para o desenvolvimento de uma mente sadia e de uma inteligência capaz de participar ativa, coerente e eficazmente de debates intelectuais, antes de qualquer treinamento argumentativo, filosófico ou cultural, a pessoa deve aprender a ouvir.

Saber ouvir significa ter a atenção despertada para o que acontece ao redor, para o que existe para além de si mesmo, para o que os outros dizem e para os eventos que estão fora de seu mundo interior. Saber ouvir é o princípio de qualquer atividade intelectual porque só assim é possível alimentar a mente para futuro uso do material absorvido.

E para aqueles que se envolvem em discussões, saber ouvir é o primeiro passo para bem argumentar. Afinal, em um debate, não existem bons argumentos se não aqueles que atacam o problema em seu âmago e que abordam exatamente aquilo que o outro está tratando. Sem isso, há apenas uma taramelagem enfadonha, que geralmente só tem sentido e importância para o tagarela que está falando.

Utopia liberal

A utopia não se manifesta apenas naquelas ideologias que imaginam um mundo futuro perfeito, mas inalcançável. Ela também é bem evidente no pensamento daqueles grupos que acreditam que as soluções de qualquer situação social ou política, mesmo para hoje, vêm da adoção, pura e simples, de uma ideia.

E não é isto que boa parte dos liberais fazem quando se trata das privatizações e da liberação do mercado?

Não que eles estejam errados quanto ao viés de liberalização e desestatização da economia. Pelo contrário, me parece que esse é mesmo o caminho a ser perseguido. Porém, quando eles acreditam, como muitos parecem acreditar, que a mera liberalização de tudo é suficiente para fazer as coisas funcionarem, me soa tratar-se da boa e velha utopia.

Basta observar com que arrogância e desprezo tratam qualquer um que meramente insinue que deve haver algum direcionamento legal na economia ou algum cuidado na privatização de empresas estatais para perceber o quanto esses liberais têm suas ideias como realmente a solução infalível para todos os males (o que vai de encontro com um sério princípio conservador e não difere em nada de qualquer proposta ideológica).

Esses liberais condenariam até Hayek, que escreveu que “essa ênfase na natureza espontânea da ordem ampliada ou macro-ordem pode ser enganosa se passar a impressão que, nela, a organização deliberada nunca é importante”. Leia-se ordem ampliada como a sociedade de mercado e organização deliberada como leis que direcionem esse mercado.

Acredito que os liberais estão certíssimos ao lutarem por menos Estado e menos regulamentos. Porém, também acredito que pecam quando fazem isso crendo que a solução que propõem é óbvia e natural, dando seus resultados como se estivéssemos lidando com um problema matemático e não com a complexidade típica das relações sociais e humanas.

Abstratismo epidêmico

Parece até um contrassenso, mas quanto mais as pessoas possuem deficiências cognitivas mais elas tendem a se abrigar sob as asas do pensamento abstrato.

Quase sempre, quando eu peço para meus novos alunos exporem alguma ideia, logo eles veem como uma miscelânea de frases prontas, slogans e expressões de efeito que, na primeira análise um pouco mais acurada, percebe-se que não querem dizer coisa alguma.

Chego a considerar que o abstratismo já é uma grande epidemia cognitiva, que afeta a maior parte das pessoas. E isso porque ele é como que um refúgio, onde elas se escondem para não ter de pensar as coisas como realmente as coisas são.

Afinal, é muito mais fácil falar sobre ideias que pairam nas nuvens e não podem ser colocadas à prova, do que se comprometer expondo algum pensamento que possa ser visualizado materialmente e, por isso, sujeito a todo tipo de análise e crítica.

É bem mais tranquilo lançar expressões como, por exemplo, “liberdade acima de tudo”, “alcance seu sucesso”, “todos são iguais” e “o importante é ser feliz” do que demonstrar, com argumentos e exemplos, como essas coisas se dão de fato.

Quando eu insisto e peço para materializarem o que dizem, invariavelmente percebem que nenhuma dessas expressões, nem qualquer outra ideia abstrata, é tão absoluta quanto parecia quando foram ditas dessa maneira desapegada da realidade concreta.

Por isso, se você quer ficar mais inteligente, force-se a sempre visualizar a concretude daquilo que está saindo da sua boca. Pergunte-se sempre como aquilo acontece na vida real e como se materializa. Questione-se se o que você está pensando é aplicável na realidade e se funciona de verdade. Desça do céu abstrato e coloque à prova suas ideias, deixando-as surgirem como corpos reais, sujeitos, por serem visíveis, a todo tipo de ataque.

Depois disso, fique apenas com aquelas que permanecerem intactas, deixando para trás as que se mostrarem fragilizadas e enfraquecidas. Pois, se você insistir em carregá-las, serão um peso morto insuportável, que servirá apenas para transformar sua caminhada em uma verdadeira ‘via crucis’ intelectual.

Extremamente covardes

Por detrás de quase todos os críticos do extremismo residem extremos covardes, que temem se comprometer com algo e querem ter sempre à disposição a possibilidade de escapar.

Ao atacarem o que chamam de extremismo, na verdade, estão criticando a convicção. Isso porque não suportam pessoas que sabem no que acreditam e defendem isso até o fim. Para os frouxos facilmente escandalizáveis, toda demonstração de certeza é uma agressão.

Até porque nem sempre a moderação é uma virtude. A moderação da verdade, do bem, da justiça, por exemplo, não pode ser tida como um objetivo a ser perseguido.

O extremismo que deve ser criticado é apenas aquele alcançado sem reflexão, sem prova, sem razão. O extremo, em si mesmo, não é errado, mas estar nele de maneira leviana e obtusa.

Se porém uma convicção é atingida após ter sido devidamente provada, que mal há em permanecer ali de maneira extrema?

Por isso, eu nunca me pergunto se alguém está sendo radical, extremista ou coisa do gênero. Minha única indagação é: o que ele defende é certo?

A essência do cristianismo

O pensamento cristão foi inundado, durante esses dois mil anos, por discussões que, sem negar a importância delas, não fazem parte do núcleo de sua revelação.

Com isso, com o tempo, o tesouro do cristianismo foi sendo esquecido e hoje são pouquíssimos cristãos que conseguem entender qual é a proposta fundamental dessa religião para o homem.

E essa proposta, o que pode ser surpreendente para muita gente, é absolutamente lógica, racional e objetiva.

O cristianismo é, sim, de uma racionalidade ímpar e de uma lógica incontestável. O que ele propõe faz todo o sentido e é uma resposta perfeitamente adequada ao drama humano fundamental.

É uma pena que os próprios cristãos tenham se confundido no mar de teologias apresentadas e hoje nem eles conseguem ver além de uma grande mixórdia de teorias e práticas.

A opinião dos cientistas

A ciência não tem a capacidade de descrever exatamente os fatos, em seu sentido mais profundo, mas seu papel se restringe a estabelecer qual é o processo por detrás deles.

Por isso, dar ouvido a cientistas, enquanto tais, em qualquer matéria que não seja a mera informação sobre como as coisas se dão é idiotice.

E é por isso que quando os cientistas se arrogam no direito de dar palpites em algo que vai além de suas observações técnicas acabam falando apenas besteiras.

Ainda assim, insistimos em colocá-los no ápice da pirâmide intelectual, subjugando-nos aos seus conselhos e sendo levados pela mesma volatilidade que é da própria natureza da pesquisa científica.

Então, o que ontem era bom hoje é ruim, o que foi saudável, agora faz mal e o que era verdade virou mentira. Tudo é tão volúvel que a impressão é que não existe mais sabedoria universal, nem conhecimento perene. Tudo parece instável e nada parece certo, tudo porque demos ouvidos demais a quem vive de contestar as próprias afirmações.

Assim, nos perdemos nesse vai e vem de teorias, só porque tratamos a ciência como uma deusa, quando ela não passa de um instrumento e nada mais.

Por uma educação elitista

Um sistema educacional que privilegia a inserção e o nivelamento jamais vai produzir gênios.

Quando o mais importante é mostrar que todos podem, quem realmente teria condições de apresentar resultados notáveis acaba se ofuscando em meio ao emaranhado de mediocridades. Quando o máximo esperado é preparado para ser alcançado por muitos, é uma multidão de operários que se está formando. Pior, operários que se acreditam geniais, enganados que foram pelos critérios que lhes foram entregues.

Por isso, temos essa infinidade de técnicos, que abundam por todo lado, e mesmo assim é tão difícil tirar dentre eles alguns poucos que sejam surpreendentes, que se comparem ao que há de melhor no mundo.

Porém, não se enganem, nosso problema não é genético, mas cultural e ideológico.

De alguma maneira, escolhemos ser estúpidos.

Comprar é um ato humanitário

Comprar é um ato humanitário. Por isso, eu sou um entusiasta do consumo. E tudo isso, por um motivo muito simples: eu tenho noção de como as coisas funcionam.

Quando eu vejo um bem de consumo, eu não tenho aquela visão rasteira de quem apenas enxerga a matéria visível final. Um carro de luxo, por exemplo, se apresenta para mim mais do que em sua aparência fenomênica. Antes de tudo, eu olho para além do carro e vejo toda uma cadeia produtiva que está por detrás dele e que envolve uma logística complexa e absurda. Uma logística que absorve uma multidão de seres humanos que são remunerados exatamente por estarem ali naquele sistema de produção.

Você tem noção do que envolve a fabricação de um automóvel? Desde sua  idealização, seu projeto, a matéria-prima necessária para sua construção, a fabricação dos acessórios, que não são poucos, a montagem, o armazenamento, a distribuição, o transporte, a venda e até a manutenção, tudo isso coloca em funcionamento uma máquina que envolve milhares e milhares de pessoas.

Então, um carro de luxo, pelo menos para mim, é mais do que um objeto de desejo.  Aliás, eu sequer me interesso por ele enquanto objeto de uso.

Quando eu olho um Porsche, o que eu vejo é uma sequência de atos que movimenta milhares de pessoas. Uma Ferrari, para mim, representa um monte de gente podendo levar comida para a casa, podendo morar adequadamente, podendo fazer uma festa de aniversário para o filho.

É por isso que essa hipocrisia de quem critica o consumo não se sustenta.

Esses bens, seja de luxo ou não, são o que permitem a existência do mercado. O mercado é o que permite haver empregos. São os empregos que permitem que as pessoas vivam dignamente. E o que alimenta o mercado é o consumo.

Isso mesmo! Para manter isso tudo funcionando, as pessoas precisam comprar.

Então, caro leitor, quando você compra alguma coisa, o que você está fazendo é um ato de humanidade. Porque comprar é permitir que esse mercado continue existindo. E o mercado continuando a existir significa que as pessoas podem continuar tendo seus empregos. E elas tendo seus empregos, seus filhos vão estar bem alimentados e ninguém vai passar necessidade.

Por isso, quer ser bonzinho? Quer colaborar para diminuir a fome no mundo? Então, consuma mesmo, compre mesmo, use seu dinheiro para sustentar essa roda virtuosa. E deixe esse papo de comunista para lá, pois a única coisa que comunista faz bem é distribuir a miséria.

Quem pensa como comunista pode até ter boas intenções, mas não está ajudando em nada quem realmente precisa colocar comida na mesa.