Desconstrucionismo jurídico Um mundo plástico A naturalidade da busca da felicidade A ideologia de Haddad e o urbanismo inumano A autoridade para exigir o desarmamento A posição dúbia dos modernistas ante o terrorismo Denuncismo e a tática do caos Um assédio juvenil e a sociedade policialesca O feminismo faz das mulheres inferiores Cultura do estupro: uma invenção feminista O mito do paraíso socialista sueco A convicção liberal do povo suiço Dom divino por nada Nosso futuro é de abundância Estupradores intelectuais A cultura do estupro é mero diversionismo O funk e os responsáveis pela loucura carioca Marcas da ideologia na percepção Um modelo de discurso para futuros presidentes Gramscismo jornalístico brasileiro O devido lugar do político Lei Rouanet: uma arma de censura O espírito revolucionário da Missão Integral Quem tem medo da riqueza? Os sequestradores da cultura A libertação da ditadura do grotesco O fortalecimento do indivíduo pelas tecnologias e o abalo das tiranias Inimigos extraordinários, armas extraordinárias A tática goebelliana dos atuais comunistas Reductio ad Hitlerum ampliada Jean Wyllys: cobaia que virou deputado O projeto de poder que quebrou o país O que o politicismo integral revela As duas mentiras Libertários, agradeçam os militares Quando a beleza e a virtude agridem Por que a manifestação de Bolsonaro foi admirável O que esperam de Bolsonaro? Os parlamentares e a família (deles) O valor humano e a desvalorização calvinista Afastem os lunáticos Razão e Paixão A loucura de Janaína O que é preciso para aguentar as adversidades Quando se conhece um verdadeiro herói O terrorismo justificado O Ministério das Desculpas Meu espírito não é destes tempos Se livrando do socialismo Delicadeza não ganha guerra Eles têm medo do povo Comemoração comedida Crime como articulação política O lobo que é apenas um cordeiro A imprevisibilidade do mundo contemporâneo Dois madeiros Louco ou demônio Uma revolução quase silenciosa Como lidar com governos de psicopatas A deusa intocável Nem toda autoridade é respeitável Obama e Francisco: subserviência aos Castro Sou um apaixonado Orgulho e medo no multiculturalismo O silêncio conivente dos cristãos em relação ao governo petista O manifesto da blasfêmia da Missão Integral Mais que paixão Equivalência criminosa A metamorfose esquerdista Não se faz média com esquerdista A missão de cada um O país não está dividido Afronta vermelha Nosso delírio burocrático A força e a lei Uma oposição formalista A Psicologia da Vontade confirma o Cristianismo Maquiavel ou A Confusão Demoníaca A Missão Integral é de esquerda Cristo não veio julgar, mas salvar O conservadorismo é o inimigo comum Quem compreende a misericórdia divina A esquizofrenia do ateu O antropocentrismo das Escrituras Minhas considerações sobre um ato inter-religioso Ataque à virilidade alemã Autoconhecimento para educar a vontade O esforço necessário ao exercício intelectual Por que tenho um blog Como ficam minhas convicções neste ano novo O respeito à limitação da vontade A revelação não despreza a razão A inferioridade dos iguais Quem o povo escolheu como líderes Não se deve ceder às minorias organizadas A arrogância dos manipulados A entrega exigida do autor intelectual O perigo da busca pela igualdade Imagine o mundo de Imagine A falsa moral contemporânea

Desconstrucionismo jurídico

O indiciamento de Jair Bolsonaro, pelo Supremo Tribunal Federal, é o ápice da tirania judiciária, que apenas é possível ser alcançada quando a linguagem e o imaginário de um povo já foram esmigalhados ao máximo.

Na decisão dos ministros há um contorcionismo verbal e imaginativo tal, que nem é preciso ser muito culto para percebê-lo. Mas ele é possível apenas porque a correção linguística foi abandonada e a permissividade com o uso da língua permitiu que, de qualquer frase proferida, seja extraído o significado que se bem entende.

Este é o fruto do desconstrucionismo que, de perversão de críticos literários e filósofos modernos, chegou ao meio jurídico e está servindo como o instrumento perfeito para a criação de uma ditadura de toga. E quando chegamos a esse ponto, não há mais a quem recorrer. Não neste mundo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Um mundo plástico

Vivemos em uma sociedade plástica. Não são apenas as roupas que usamos que são sintéticas, nem só os alimentos que comemos artificiais. Tudo hoje parece de mentira. Nossos heróis não lutam mais guerras, mas estão dentro de campos com regras controladas, existentes apenas para nossa diversão; nossas leis criam ficções, que nada têm a ver […]

A ideologia de Haddad e o urbanismo inumano

O que caracteriza a literatura utopista iniciada no século XVI é a possibilidade da criação de uma sociedade completamente planejada, de maneira que as pessoas que nela morassem fossem beneficiadas. A proposta era de criar um sistema social que não apenas ajudasse os homens a viver melhor, como os moldasse, para que se tornassem bons cidadãos. […]

A autoridade para exigir o desarmamento

A diferença entre conservadores e esquerdistas, muitas vezes, não está em suas concepções sobre a sociedade, nem sobre seus planos sobre o futuros das nações, mas em algo bastante trivial. Enquanto toda a análise que as esquerdas fazem se baseia em ideologia, os conservadores são apenas práticos. A questão sobre o desarmamento demonstra isso, claramente. […]

A posição dúbia dos modernistas ante o terrorismo

Ataques terroristas como o ocorrido em Paris, há alguns meses, ou como o de Orlando, agora, acontecem porque a sociedade laicista prefere fechar os olhos para a realidade da violência islâmica, tudo por causa de seu comprometimento com o multiculturalismo e com a oposição aos princípios judaico-cristãos. É interessante como, quando começam as pessoas a […]

Um assédio juvenil e a sociedade policialesca

Um garoto de vinte anos, estrela da música pop, chamado Biel, que parece ser a sensação atual das adolescentes brasileiras, está sendo duramente perseguido e boicotado porque falou umas grosserias para uma menina que diz ser jornalista. Entre essas grosserias, estão alguns elogios vis e outras baixarias, além do uso da expressão “quebrar no meio”, […]

2016 Discursos de Cadeira
You are using the BNS Add Widget plugin. Thank You!