Pusilanimidade ocidental e o terror islâmico A vitória sobre o mundo O ataque cirúrgico do Escola sem Partido Como discutir com um militante Uma lição das agências de marketing para os analistas sociais Livre mercado: uma tortura para os inseguros O desconforto masculino no ambiente eclesiástico Orientalismo: a busca pelo que já se tem Ponderação como arma inimiga O deputado que cindiu a direita no Brasil Fascismo, o espelho do esquerdismo Quem nega a manipulação? Que falta fazem os bons filósofos! A Nova Era e a Revolução Cultural, de Olavo de Carvalho A hipnose e a inexistência de filósofos cristãos Como confiar nessa mídia ou: o que a separação do Reino Unido da União Europeia mostrou Desconstrucionismo jurídico Um mundo plástico A naturalidade da busca da felicidade A ideologia de Haddad e o urbanismo inumano A autoridade para exigir o desarmamento A posição dúbia dos modernistas ante o terrorismo Denuncismo e a tática do caos Um assédio juvenil e a sociedade policialesca O feminismo faz das mulheres inferiores Cultura do estupro: uma invenção feminista O mito do paraíso socialista sueco A convicção liberal do povo suiço Dom divino por nada Nosso futuro é de abundância Estupradores intelectuais A cultura do estupro é mero diversionismo O funk e os responsáveis pela loucura carioca Marcas da ideologia na percepção Um modelo de discurso para futuros presidentes Gramscismo jornalístico brasileiro O devido lugar do político Lei Rouanet: uma arma de censura O espírito revolucionário da Missão Integral Quem tem medo da riqueza? Os sequestradores da cultura A libertação da ditadura do grotesco O fortalecimento do indivíduo pelas tecnologias e o abalo das tiranias Inimigos extraordinários, armas extraordinárias A tática goebelliana dos atuais comunistas Reductio ad Hitlerum ampliada Jean Wyllys: cobaia que virou deputado O projeto de poder que quebrou o país O que o politicismo integral revela As duas mentiras Libertários, agradeçam os militares Quando a beleza e a virtude agridem Por que a manifestação de Bolsonaro foi admirável O que esperam de Bolsonaro? Os parlamentares e a família (deles) O valor humano e a desvalorização calvinista Afastem os lunáticos Razão e Paixão A loucura de Janaína O que é preciso para aguentar as adversidades Quando se conhece um verdadeiro herói O terrorismo justificado O Ministério das Desculpas Meu espírito não é destes tempos Se livrando do socialismo Delicadeza não ganha guerra Eles têm medo do povo Comemoração comedida Crime como articulação política O lobo que é apenas um cordeiro A imprevisibilidade do mundo contemporâneo Dois madeiros Louco ou demônio Uma revolução quase silenciosa Como lidar com governos de psicopatas A deusa intocável Nem toda autoridade é respeitável Obama e Francisco: subserviência aos Castro Sou um apaixonado Orgulho e medo no multiculturalismo O silêncio conivente dos cristãos em relação ao governo petista O manifesto da blasfêmia da Missão Integral Mais que paixão Equivalência criminosa A metamorfose esquerdista Não se faz média com esquerdista A missão de cada um O país não está dividido Afronta vermelha Nosso delírio burocrático A força e a lei Uma oposição formalista A Psicologia da Vontade confirma o Cristianismo Maquiavel ou A Confusão Demoníaca A Missão Integral é de esquerda Cristo não veio julgar, mas salvar O conservadorismo é o inimigo comum Quem compreende a misericórdia divina A esquizofrenia do ateu O antropocentrismo das Escrituras

Pusilanimidade ocidental e o terror islâmico

Um padre, de 84 anos, fora degolado por islâmicos, dentro de uma igreja católica, localizada nas proximidades de Rouen, na França. O ataque foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico que informou que o ato fora impetrado por “soldados” pertencentes a ele.

Na ação, além do padre, a quem obrigaram a ajoelhar diante do altar, filmando sua degola, os terroristas ainda feriram gravemente mais duas pessoas.

O Vaticano, diante do ocorrido, lançou uma nota afirmando que o Papa condena “da forma mais radical toda forma de ódio e reza pelas pessoas atingidas“.

Será isso mesmo que se espera do líder máximo do catolicismo?

Dizer o que disse é o mesmo que não falar nada. Estar horrorizado e condenar toda forma de terror é o que qualquer pessoa, em qualquer posição, tem obrigação moral de fazer. No entanto, alguém na posição da maior autoridade do mundo católico deveria ir além, condenando abertamente a ideologia que tem promovido esses atos, além de dar alguma orientação mais efetiva para seus fiéis.

Ao falar como se o que aconteceu não fosse um ato deliberado, de um grupo específico, subordinado a uma ideologia específica, o papa impede que as pessoas entendam melhor com quem estão lidando. Até porque muito do que está ocorrendo é fruto dessa relativização da violência islâmica pelos ocidentais.

Não apenas o papa, mas diversos outros líderes cristãos, além de praticamente toda a mídia ocidental, têm evitado dar nomes aos bois, como se temessem ferir suscetibilidades muçulmanas.

Enquanto isso, o mundo ocidental demora demais para começar a perceber que o problema é sério demais para esperar muito tempo para tomar alguma atitude.

Enquanto os grupos islâmicos violentos não forem condenados abertamente, além daqueles que os protegem expostos, os assassinos continuarão a ter relativa liberdade e facilidades logísticas para praticar seu terrorismo.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A vitória sobre o mundo

É impraticável tentar manter-se concentrado nos assuntos superiores quando se tem tantas preocupações menores povoando a mente. As dívidas, a saúde, a segurança e outros problemas cotidianos, muitas vezes, assumem uma dimensão tão grande, que na cabeça não sobra espaço para praticamente mais nada, senão essas inquietudes. O mundo e seus arremedos acabam absorvendo a […]

O ataque cirúrgico do Escola sem Partido

Só de observar as reações de boa parte dos pedagogos brasileiros diante do projeto de lei, denominado Escola sem Partido, é possível afirmar que algo de acertado existe nessa proposta. Na verdade, o seu idealizador, o dr. Miguel Nagib, foi cirúrgico, acertando em cheio a artéria principal do projeto de dominação cultural conduzido pelos esquerdistas, […]

Como discutir com um militante

Em certos debates, a pior estratégia pode ser querer provar a própria tese. Isso porque, dependendo do adversário, fazer isso será o mesmo que argumentar para uma porta. Há certas pessoas, principalmente aquelas que estão comprometidas com uma ideologia qualquer, que não estão abertas às razões apresentadas, mas somente se posicionam com a intenção objetiva […]

Uma lição das agências de marketing para os analistas sociais

“É provável que as agências de propaganda tenham percebido que priorizar um grupo específico, como o dos homossexuais, não tenha sido a melhor escolha e, antes de qualquer analista social, viu que isso poderia ser uma afronta aos homens de verdade e que agir em detrimento deles poderia ser uma péssima escolha”

O deputado que cindiu a direita no Brasil

“Foi a ascensão do deputado federal Jair Bolsonaro, aparecendo com índices de intenção de votos surpreendentes em pesquisas, sendo recebido como pop star em cidades por todo o Brasil e alcançando índices de popularidade incríveis nas redes sociais que acabou despertando, em muitos daqueles que pareciam estar ao lado dos conservadores brasileiros, um ódio comparável […]

2016 Discursos de Cadeira
You are using the BNS Add Widget plugin. Thank You!