Críticos flatulentos

Uma crítica honesta, principalmente no campo político, deve apresentar ao menos um vislumbre de uma solução viável para o problema. Sem isso, não passa de manifestação de preferência ideológica ou desafeição pessoal.

Ainda assim, a maioria dos críticos políticos, principalmente aqueles mais ácidos, tornou-se especialista em apontar problemas abstratos, ignorar as contingências concretas e imiscuir-se de oferecer qualquer solução alternativa. Escondem-se por detrás de palavras que soam bem, não dizem absolutamente nada e, pior, não propõem nada de concreto.

Essa atitude tem se manifestado de forma contundente no caso das crises imigratórias pelo mundo e, principalmente, das tentativas norte-americanas, por meio de seu atual presidente, de racionalizar e conter a imigração ilegal. O que mais se vê desses críticos são manifestações de almas escandalizadas, que adotaram os imigrantes, sejam eles quais forem, quais sejam suas intenções e quais forem as maneiras como eles empreendem sua imigração, como sendo os novos judeus diante de uma perseguição às avessas colocada em andamento por governos tidos por esses críticos como fascistas insensíveis, como o dos Estados Unidos.

Parece até bonito ler, por exemplo, um Leandro Karnal escrevendo que “entre a utopia pouco praticável de escancarar fronteiras e a ideia de uma muralha xenofóbica, poderiam existir soluções equilibradas”, mas o fato é que manifestações desse tipo, observadas com mais cuidado, revelam pressuposições mentirosas, que servem apenas para desviar a atenção do leitor do verdadeiro problema, apresentando-se como a parte racional, fingindo oferecer uma solução equilibrada que, na verdade, não existe.

Quando ele contrapõe as ideias de fronteiras escancaradas e muralhas xenofóbicas, na verdade, não está contrapondo ideias verdadeiramente defendidas por gente real. Poucos são os loucos que advogam a abertura irrestrita das fronteiras, como todos sabem que fechá-las completamente é impraticável. Portanto, o senhor Karnal está batendo em espantalhos, criados por ele mesmo, não em agentes políticos reais.

Há no entanto, em sua afirmação, uma crítica sutil, que não vai contra quem supostamente defenderia as fronteiras escancaradas – que ele bem sabe, são pessoas politicamente irrelevantes – mas contra o governo americano. Ao fingir revelar dois opostos sobre um mesmo tema, contrapõe um grupo não identificado e até irreconhecível, contra um governo existente e imediatamente identificável, passando a ideia de que, se aqueles estão errados, este também está, por ser xenofóbico e não querer permitir a entrada de estrangeiros de maneira alguma. O problema é que os primeiros não são ninguém, de fato, enquanto o segundo todo mundo sabe quem é. Ao apresentar essa falsa dicotomia, o senhor Karnal, simulando uma crítica universal, atinge o único alvo realmente verificável: o monstro fascista e isolacionista que quer fechar o seu país em um domo inexpugnável.

Na verdade, me parece que o objetivo do historiador é somente esse mesmo, afinal, a solução que ele finge apresentar não passa de uma bolha de ar que – algo típico de seus escritos e pensamentos – não significam nada, além de belas palavras. A não ser que alguém acredite que “soluções equilibradas” represente algo mais do que um som de flatulências.

O fato é que o tal equilíbrio karnaliano não se sustenta na realidade, pois ignora os problemas reais, como o tráfico de drogas, o terrorismo, a violência das cidades fronteiriças e própria ilegalidade do ato imigratório clandestino. Sua solução, que finge ser honesta, é apenas uma maneira de dizer o quanto ele mesmo possui pensamentos bonitinhos, enquanto seu criticado é mau.

A verdade é que enquanto homens como Leandro Karnal não forem cobrados, nas críticas que fazem, a apresentar soluções factíveis, continuarão a expelir os mal cheirosos elementos que se formam dentro deles, camuflados, obviamente, pelo perfume politicamente correto que sempre lhes acompanha.

A droga do vitimismo

O vitimismo tem se tornado a droga do nosso tempo. Isso porque as pessoas têm se agarrado a ele como viciados que não podem viver sem experimentar seu poder anestésico e sedutor.

Como todo droga, ser vítima faz a pessoa se sentir viva porque, pela mentalidade dominante, quem não é vítima é como se não tivesse uma história, como se sua existência fosse inútil. Quem não tem uma história, não tem vida. Assim colocar-se como vítima permite que a pessoa sinta-se, de alguma maneira, especial, reconhecida pelos outros e parte de seu mundo.

Isso é viciante, sem dúvida. Afinal, em um mundo onde parece que somos cada vez mais desprezíveis e irrelevantes, encontrar algo que nos faça especiais é irresistível.

O vitimismo também, como toda droga, cria seus grupos sociais. Assim, ele separa aqueles que são reconhecidos como legítimos representantes de seu círculo – os oprimidos – dos párias que, não raramente, são colocados na posição de opressores e automaticamente vistos como inimigos a ser combatidos.

O vitimismo, portanto, tornou-se a droga aceita e estimulada dos nossos dias. Por isso, quem quer ser bem visto, aceito e até louvado logo busca algo que lhe coloque na posição de vítima. Assim, sabe que terá seu lugar reservado junto à hipocrisia de seus pares.

Pensamento e expressão

Uma coisa é saber algo, outra é transmiti-lo. Isso porque o que se sabe, ou seja, o conteúdo dos nossos pensamentos, sobrevive sem ordem. 

O fato e que é podemos saber muitas coisas sem que este conhecimento esteja devidamente ordenado em nossa mente. Por outro lado, basta tentarmos transmitir o que sabemos para então nos darmos conta de que boa parte das certezas que carregamos parecem bem vacilantes quando tentamos explicá-las.

É que a comunicação, diferente do pensamento, não aceita o caos. O pensamento subsiste tranquilamente na confusão porque ele se contenta mais com o significado das coisas do que com seus nomes. Ele sintetiza os conteúdos de maneira que as palavras importem menos do que os que elas querem dizer.

A comunicação, porém, é mais exigente. Ela obriga que as ideias e palavras emitidas sigam com ordem, uma devidamente após a outra, de maneira que a mais sutil alteração dessa ordem tenha o poder de afetar todo o conjunto.

Não é por acaso que existem diversos profundos conhecedores em suas respectivas áreas que, apesar de tudo, têm uma dificuldade terrível de compartilhar aquilo que sabem.

Babel pós-moderna

Toda a cultura e toda a vida intelectual, em uma sociedade, depende da existência de uma constante troca de ideias e do intercâmbio incessante de pensamentos. As grandes concepções, os juízos mais engenhosos, não teriam valor algum se permanecessem isolados nas mentes de seus autores. Para que pudessem contribuir para o desenvolvimento da civilização, foi necessário terem sido compartilhados por seus criadores e, concomitantemente, absorvidos, compreendidos e aplicados por seus interlocutores.

Pressupõe-se, portanto, que, para a formação da civilização, aqueles que se depararam com as mensagens dos gênios, que ouviram as palavras das grandes mentes, compreenderam aquilo que estava sendo transmitido e, por isso, puderam colocar em prática o que deles fora apreendido. E é nessa comunhão entre emissor e interlocutores que reside a base para a construção de qualquer sociedade.

Sem esquecer que mesmo os sábios, transmissores das grandes ideias, foram, eles mesmos, influenciados e impactados por mensageiros anteriores, dos quais receberam outras grandes ideias e os quais tiveram a capacidade também de compreender.

Vê-se assim que toda a sociedade está fundamentada em um acordo tácito em relação aos sentidos das palavras, os seus significados, suas implicações e suas referências. É dessa maneira porque, se não fosse, o que uma pessoa dissesse não poderia ser imediatamente compreendido pela outra, impedindo que essa sociedade se desenvolvesse, afinal, esse desenvolvimento depende necessariamente da cooperação e esta só ocorre por meio da troca constante de conteúdos racionais.

Em todas as sociedades foi assim. Por mais que sempre houvesse algum tipo de variação dos sentidos e alguma diferença na interpretação que se dão às palavras e expressões, em geral, as pessoas nelas inseridas sempre possuíram referências, visões de vida, linguagem e compreensão semelhantes. Foi isso que permitiu que cada sociedade se desenvolvesse a sua maneira.

Atualmente, porém, já não é mais assim. Chegamos em um momento quando a impressão que se tem é que os tempos de concórdia acabaram, que a unidade de visão está se esvaindo e cada qual passa a ser determinador daquilo que existe, segundo sua própria maneira de enxergar o mundo.

O que eu quero dizer é que está havendo uma relativização tão gigantesca em relação ao sentido de todas as coisas que, cada vez mais, as pessoas enxergam-nas diferentemente umas das outras. Ainda que se refiram a elas com os mesmos nomes e ainda que pareçam estar falando sobre um mesmo fato, cada palavra, cada expressão, cada ideia parece evocar em cada pessoa percepções tão diversas que sequer parecem tratar-se de uma e mesma realidade.

E isso acontece não apenas por causa da relativização, mas tem origem em uma deterioração cultural que faz com que os indivíduos não possuam o instrumental intelectual mínimo para compreender o que é dito, senão segundo suas parcas capacidades e estreita visão.

Mistura-se, então, esses dois elementos venenosos, o rebaixamento cultural e a relativização, e temos a fórmula perfeita para uma sociedade fragmentada, individualista, no pior sentido desse termo, onde cada qual vive dentro de sua própria realidade e a comunicação torna-se cada vez mais difícil.

O resultado disso é a progressiva dificuldade dos concertos, dos acordos, das contribuições mútuas para o progresso dentro dessa sociedade. Quanto mais as pessoas não parecem falar a mesma língua, mais complicado fica que alimentem-se mutuamente com boas ideias e contribuam para o a manutenção e avanço dessa civilização.

Nosso mundo, por causa dos efeitos dessa discórdia linguística, semântica e simbólica, tem o sério risco de involuir, de retornar pouco a pouco à barbárie, quando os homens viviam essencialmente para sobreviver e ainda não haviam desenvolvido a razão suficientemente para construir uma sociedade que se parecesse com aquilo que convencionamos chamar de civilizada.

A ilusão dos direitos

Direitos são desejados, direitos são perseguidos, direitos são sempre bem vindos. Direitos remetem-nos às vantagens deles advindas, dos ganhos garantidos por eles. Direitos são vistos como conquistas, como vitórias sedimentadas por lei. Na imaginação das pessoas, direitos são fontes de vantagens e ganhos, como se fossem frutos de criações ex nihilo. Apesar de tudo isso, direitos costumam ser enganosos.

O fato é que as pessoas esquecem que leis são abstratas e quase sempre geram apenas uma mera expectativa. Direitos nem sempre concretizam-se imediatamente. Muitas vezes, sequer concretizam-se. Isso porque, em diversos casos, os direitos dependem de circunstâncias especiais e de sujeitos intermediários para transformarem-se em algo real.

É o caso das leis trabalhistas, por exemplo. Quando são promulgadas, fazem a alegria dos empregados em toda parte. Estes logo passam a fazer as contas com o que farão com os acréscimos dos novos benefícios. Esquecem-se, porém, que entre a abstração da lei e sua materialização há um certo caminho a ser percorrido.

Esse caminho é, nada menos, do que a possibilidade e a conveniência daquele que recebeu o ônus legal de cumprir o que lhe foi determinado. O que os beneficiários de direitos não entendem é que quando o seu empregador é obrigado a pagar um benefício para os funcionários dele, esses custos deverão ser arcados por alguém. Na maioria das vezes, não será um simples aumento de gastos para o empregador, com a diminuição de seus lucros. A conta vai ser paga por outro alguém e o problema para o beneficiário do direito é que, muitas vezes, direta ou indiretamente, esse outro alguém será ele mesmo.

Uma concessão de direitos cria ônus para aquele que é obrigado a cumpri-los que, invariavelmente, o forçará a lançar os custos desse ônus para outro lugar. Se ele quiser manter o empregado, por exemplo, deverá lançar esse custo para o preço final de seus produtos. Neste caso, quem paga a conta é o consumidor. Sem esquecer que o trabalhador é também um consumidor. Se ele não paga os custos do repasse feito pelo seu próprio empregador, o fará dos feitos pelos empregadores dos produtos que ele consome.

Mas pode ser ainda pior para o beneficiário do direito: o empregador pode simplesmente, por causa da inviabilidade do cumprimento da obrigação que lhe foi imposta, abrir mão do empregado, o que não apenas privará este dos benefícios concedidos pela nova lei, como de todos os outros que ele já tinha conquistado.

Assim, o direito, que parecia motivo de sua alegria, torna-se a causa de sua desgraça.

Este princípio, porém, não é de aplicação exclusiva ao Direito do Trabalho. A regra também vale para o Direito Tributário, Direito Previdenciário e todos aquelas áreas do Direito que permitem a criação de benefícios legais aos indivíduos e aos grupos. O fato é que sempre que há beneficiários, há custos equivalentes. E, percebendo eles ou não, sejam diretos ou não, os beneficiários do direito acabam sendo sobre quem caem esses custos.

Infelizmente, poucas pessoas têm essa compreensão sobre os malefícios do excesso de direitos e continuam exigindo-os incessantemente e comemorando suas imposições. Na verdade, quase todo discurso político é baseado neles.

Não que os direitos não devam existir. Porém, aqueles que os impõem deveriam ser parcimoniosos, sempre medindo se a concessão de tais direitos são realmente benéficos a todos ou, simplesmente, impõem ônus para um lado sem, necessariamente, ser vantajoso para o outro.

Capitalismo e cristianismo

Cristãos, se forem coerentes com os escritos e tradição de sua religião, não têm como não experimentar um certo mal-estar ao ser favoráveis ao capitalismo e à busca pela prosperidade. Eu mesmo, no que parece uma bipolaridade intelectual, escrevo constantemente em defesa da riqueza e do capital, enquanto teço críticas à postura de quem dirige sua vida em favor das coisas materiais, perdendo contato com o que é superior. Tal atitude, eu tenho consciência disso, deve causar algum tipo de confusão em quem acompanha meus pensamentos.

O fato é que não há como negar que o cristianismo possui um histórico de, no mínimo, imposição de sérias restrições ao lucro, aos juros, ao acúmulo e à busca pela riqueza, que são o cerne do sistema capitalista. Textos bíblicos, como o que afirma que “é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus” e outro que diz: “Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus”, além da conhecida tradição católica de condenação ao lucro e aos juros, deixam em uma situação constrangedora qualquer cristão que tente manter-se fiel à sua religião e permanecer favorável ao capitalismo.

Diante desse verdadeiro dilema, muitos não sabem se defendem abertamente o capitalismo, com o risco de não serem tidos como cristãos verdadeiros ou se mantêm a tradição cristã, sob pena de serem vistos como anticapitalistas ou mesmo esquerdistas.

No entanto, toda essa questão, vista desse maneira dualista, está muito mal colocada e necessita ser melhor compreendida, a fim de solucionar essa aparente contradição.

O fato é que não há nenhuma contradição entre o sistema capitalista, com todo seu impulso à riqueza e o cristianismo. Isso porque não há contradição entre a aplicação universal de um valor, um sistema ou uma ideia e, ao mesmo tempo, a condenação do abuso individual em relação a essa mesma ideia.

Por exemplo: todos somos favoráveis à liberdade, como um valor geral. Defendemos que as pessoas devem ser livres e ninguém deve estar sujeito a nada e a ninguém, senão por sua própria decisão. No entanto, ao mesmo tempo, condenamos aqueles que abusam de sua liberdade, que a usam para sua própria degradação e seu próprio mal.

Da mesma maneira, podemos defender o sistema capitalista, com seu fomento à busca pela riqueza, por meio do lucro, do acúmulo e dos juros e, ao mesmo tempo, condenar aqueles que usam desses meios de maneira desordenada, a ponto de perder-se em uma vida preocupada apenas com o dinheiro, com o luxo e com o que é relativo à matéria. Isso porque a defesa do capitalismo diz respeito a algo que é geral, como a liberdade, que mesmo mostrando-se benéfico como regra de aplicação universal, pode corromper o indivíduo que dele faz uso de maneira desmedida e desarrazoada.

Portanto, um cristão favorável ao capitalismo não precisa sentir-se constrangido de condenar o materialismo desmesurado que muitas pessoas praticam, buscando apenas os bens deste mundo e desprezando o que é espiritual. A pregação permanece a mesma: sempre que a atitude do ser humano privilegiar o material em detrimento do espiritual, o cristianismo a denunciará.

No entanto, essa pregação é unicamente moral e tem como alvo o indivíduo. Nunca será uma proposta de sociedade e jamais se tornará uma condenação ao sistema. É apenas um alerta para que a pessoa, em sua individualidade, oriente-se de uma maneira melhor diante de Deus.

A caridade e a vocação do escritor

“Nunca confunda a vocação de escritor com falta de caridade” – palavras da minha leitora Mônica Camatti.

A possibilidade de ferir sentimentos alheios nunca pode ser uma preocupação fundamental na atividade intelectual, pois é da natureza da crítica (e o trabalho intelectual é essencialmente crítico) tocar em feridas que doem.

Por isso, o escritor que se autocensura demais, com a preocupação de não magoar os outros, está limitando seu trabalho imensamente.

O que, de fato, deve balizar sua expressão é a verdade, a relevância, a utilidade e o bom-senso.

Eventuais ressentimentos devem ser considerados como efeito inescapável dessa atividade e, apesar de não dever constituir o fim dela, nem fonte de prazer para o escritor, não pode servir como limitador de seu trabalho.

Portanto, se, quando eu escrevo algo, afeto suscetibilidades, desculpe-me, essa nunca é minha intenção e nem me alegro com o fato.

O único problema é que deixar de escrever não é, no meu caso, uma opção.

Cientistas iconoclastas e o conservadorismo da ciência

Cientistas de mentalidade revolucionária, ansiosos por destruir os pilares da sociedade, são, além de desconhecedores dos princípios de sua própria atividade, altamente contraditórios.

Isso porque o fundamento de toda e qualquer ciência é absolutamente conservador. Por mais que isso soe quase como um insulto às pretensões aniquiladoras dos cientistas e fira seus espíritos iconoclastas, a atividade científica só se torna profícua quando exercida de maneira respeitosa ao que já existe.

O que é a prática científica senão a pressuposição de que há uma estabilidade no mundo que permite com que o cientista repita suas experiências diversas e diversas vezes, muitas delas por um longo período tempo, a fim de comprovar ou ver refutada sua tese? Afinal, se o mundo não oferecesse essa estabilidade, toda experiência seria nova e não se poderia fazer referência às anteriores, pois faltaria aquele elemento de continuidade que permite com que o cientista considere o que foi colhido como válido para suas conclusões atuais.

Além disso, é da prática científica o respeito pelas conquistas das experiências realizadas, considerando-as válidas e tomando-as como base para as experiências atuais e futuras. Não há vivência científica sem isso. E esta é a exata essência de um pensamento conservador, o qual prefere viver sustentado por aquilo que já foi conquistado.

Portanto, quando me deparo com um cientista de pensamento revolucionário, que tem como sua principal motivação o desejo de ver destruídas as conquistas de seus pares, com aquela ânsia por oferecer novidades, como se o papel principal da ciência não fosse, em vez disso, trabalhar sobre o que já existe, ocorrem-me sérias dúvidas sobre sua capacidade técnica, sua inteligência e, inclusive, sua honestidade.

Dilema conservador

O dilema conservador é a tensão entre uma profunda desconfiança em relação ao governo e um respeito pela ordem e autoridade. Dilema que pode se tornar esquizofrenia em alguns casos. É que ao mesmo tempo que ele entende que sem ordem há uma aproximação à barbárie, sabe que o excesso de autoridade leva à tirania. E como é difícil apontar exatamente qual é o ponto de equilíbrio entre esses dois extremos, o conservador pode oscilar entre a exigência de liberdade e da aplicação da força estatal. Encontrar a medida certa entre esses pólos, portanto, é o seu desafio, mas também sua tortura.

A mentira da polarização política brasileira

Não, a sociedade não está polarizada.

Polarização significa a existência de dois grupos bem divididos em dois extremos opostos de pensamento.

A realidade, porém, não é essa. Enquanto entre os esquerdistas há desde os terroristas mais malucos até os centristas mais moderados, na direita, o mais radical que existe é o tio que escreve em caixa alta no Facebook.

Na verdade, chamar a discussão política atual de polarização é apenas uma maneira que os antigos detentores do monopólio da opinião encontraram para desmerecer os grupos mais à direita, que até pouco tempo simplesmente inexistiam no Brasil.

Dizendo que há polarização, eles igualam o direitista conservador ou liberal, que vive meramente de emitir opiniões, com o invasor de terra do MST, com o Black Block ou outro terrorista qualquer de esquerda.

Fazendo isso, elimina-os do debate púbico, como se todos fossem igualmente radicais, tornando legítimas apenas as opiniões do restante dos esquerdistas – os mesmos que tiveram o monopólio da opinião e da ação política até aqui.

Portanto, chamar a discussão política brasileira de polarização é, além de uma incompreensão profunda do que está acontecendo, uma forma de servir bem aos interesses dos grupos que usurpam o poder, no Brasil, há, pelo menos, trinta anos.