O funk e os responsáveis pela loucura carioca Marcas da ideologia na percepção Um modelo de discurso para futuros presidentes Gramscismo jornalístico brasileiro O devido lugar do político Lei Rouanet: uma arma de censura O espírito revolucionário da Missão Integral Quem tem medo da riqueza? Os sequestradores da cultura A libertação da ditadura do grotesco O fortalecimento do indivíduo pelas tecnologias e o abalo das tiranias Inimigos extraordinários, armas extraordinárias A tática goebelliana dos atuais comunistas Reductio ad Hitlerum ampliada Jean Wyllys: cobaia que virou deputado O projeto de poder que quebrou o país O que o politicismo integral revela As duas mentiras Libertários, agradeçam os militares Quando a beleza e a virtude agridem Por que a manifestação de Bolsonaro foi admirável O que esperam de Bolsonaro? Os parlamentares e a família (deles) O valor humano e a desvalorização calvinista Afastem os lunáticos Razão e Paixão A loucura de Janaína O que é preciso para aguentar as adversidades Quando se conhece um verdadeiro herói O terrorismo justificado O Ministério das Desculpas Meu espírito não é destes tempos Se livrando do socialismo Delicadeza não ganha guerra Eles têm medo do povo Comemoração comedida Crime como articulação política O lobo que é apenas um cordeiro A imprevisibilidade do mundo contemporâneo Dois madeiros Louco ou demônio Uma revolução quase silenciosa Como lidar com governos de psicopatas A deusa intocável Nem toda autoridade é respeitável Obama e Francisco: subserviência aos Castro Sou um apaixonado Orgulho e medo no multiculturalismo O silêncio conivente dos cristãos em relação ao governo petista O manifesto da blasfêmia da Missão Integral Mais que paixão Equivalência criminosa A metamorfose esquerdista Não se faz média com esquerdista A missão de cada um O país não está dividido Afronta vermelha Nosso delírio burocrático A força e a lei Uma oposição formalista A Psicologia da Vontade confirma o Cristianismo Maquiavel ou A Confusão Demoníaca A Missão Integral é de esquerda Cristo não veio julgar, mas salvar O conservadorismo é o inimigo comum Quem compreende a misericórdia divina A esquizofrenia do ateu O antropocentrismo das Escrituras Minhas considerações sobre um ato inter-religioso Ataque à virilidade alemã Autoconhecimento para educar a vontade O esforço necessário ao exercício intelectual Por que tenho um blog Como ficam minhas convicções neste ano novo O respeito à limitação da vontade A revelação não despreza a razão A inferioridade dos iguais Quem o povo escolheu como líderes Não se deve ceder às minorias organizadas A arrogância dos manipulados A entrega exigida do autor intelectual O perigo da busca pela igualdade Imagine o mundo de Imagine A falsa moral contemporânea Razão e método na pedagogia Os fantasmas do poder O anti-intelectualismo de alguns cristãos Eu quero a companhia dos gênios A velha sanha despótica da esquerda Escrever contra a depressão Consciência da fragilidade A superação das vãs esperanças A hipocrisia na concessão de direitos trabalhistas Os republicanos e o tamanho do Estado O raciocínio do militante O politicismo integral brasileiro Sísifo e o impeachment Imortalidade maldita Os parlamentares petistas e a lei anti-terrorismo O método da Teologosofia

O funk e os responsáveis pela loucura carioca

Quando a sociedade chega em um estágio em que a brutalidade deixa de ser um acidente, mas passa a fazer parte do noticiário cotidiano, é um equívoco achar que isso pode ser corrigido apenas com leis mais duras e ação policial mais efetiva.

Eu sou favorável, sim, ao endurecimento das penas e acredito que a polícia deve ter instrumentos mais fortes de ação, mas não me engano quanto à efetividade dessas ações, quando pensadas de maneira isolada.

Pedir maior atuação do governo, sem se preocupar com o problema de fundo, que é cultural, serve apenas para fortalecer o poder estatal, tornando o país cada vez mais próximo de uma verdadeira ditadura.

Aliás, esta é uma tática muito praticada pelas tiranias socialistas: solapar as bases morais de uma sociedade, levando-a à desordem, surgindo, então, como a salvadora da pátria. Incentivam o problema e apresentam a solução. E esta nada mais é do que seu próprio fortalecimento.

Por isso, quando surgem casos como da menina que foi estuprada por mais de 30 bandidos, em um baile funk, não adianta apenas levantar a voz pedindo penas mais duras, castração química, pena de morte e outras formas de endurecimento legal. Estas são medidas necessárias, sim, para a prática da devida justiça, no caso concreto, mas sua implantação não significa que os problemas estarão todos resolvidos. O mais urgente, de fato, é mostrar quem são os maiores culpados. E estes vivem muito além dos ambientes das favelas.

Basta ver quem são os responsáveis pela promoção desavergonhada dessa cultura baixa, como aquela praticada nos bailes funk do Rio de Janeiro, como se fossem a manifestação de uma arte qualquer, e não a exposição de apologias indecentes e criminosas. E estes são, sem nenhuma dúvida, os intelectuais cariocas, os políticos de esquerda, as ONG's e movimentos sociais, a Rede Globo e o beautiful people que, já há algum tempo, vêm louvando o funk como uma manifestação artística qualquer, promovendo-o e financiando-o sem pudores, omitindo sua real natureza, que é uma forma de fazer propaganda do crime, alistando para suas bases crianças e adolescentes das periferias.

E o restante da sociedade, de uma maneira geral, acaba se tornando também cúmplice disso tudo, ao consumir, sem maiores ressalvas, as músicas, os cantores, os dançarinos e o estilo conhecido como funk carioca.

Depois, quando ocorrem os absurdos, como esse estupro coletivo, querem aparecer indignados, como se o que aconteceu não tivesse nada a ver com eles e fosse um mero acidente em um mundo civilizado. No entanto, a verdade é que crimes como esse não passam da consequência óbvia de uma cultura que vem sendo alimentada por aqueles mesmos que se mostram escandalizados.

Se os estupradores são criminosos, que devem ser identificados e presos, isso não significa que a classe pensante carioca, os políticos de esquerda e os integrantes dos movimentos sociais não tenham nada a ver com isso. Pelo contrário, são eles os responsáveis diretos por essa barbárie.

Enquanto não denunciarmos os culpados intelectuais, desmoralizando-os e expondo-os como os grandes responsáveis pela loucura carioca, a consequência disso será a condenação da sociedade ao lamento diário por mais uma menina vilipendiada em público.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Um modelo de discurso para futuros presidentes

Os pronunciamentos do presidente Michel Temer têm sido, ao menos para mim, uma grata surpresa. É evidente que não posso negar que o efeito negativo das aparições da presidente afastada podem estar sendo decisivo para essa impressão. De qualquer forma, preciso confessar que ouvir o presidente interino tem me dado bastante satisfação. Na verdade, a […]

Gramscismo jornalístico brasileiro

Jornais como a Folha de São Paulo e O Globo são um perfeito material de estudo da estratégia gramsciana explicada por Olavo de Carvalho, em seu livro A Nova Era e a Revolução Cultural. Quem faz o acompanhamento diário desses veículos percebe, com muita facilidade, que a tática deles é parecerem neutros, mas selecionando cuidadosamente […]

O espírito revolucionário da Missão Integral

Imagine alguém elogiar a coragem de um homicida. Imagine ele dizer que nós é que deveríamos ter o espírito daquele assassino. Estranho, não? Pois bem, é exatamente isso que o ideólogo máximo da Teologia da Missão Integral, René Padilla, faz em relação aos cristãos e ao comunismo. Em seu livro, O que é Missão Integral, […]

Os sequestradores da cultura

A histeria generalizada, do meio artístico engajado, por causa da extinção do Ministério da Cultura, é o reflexo de uma mentalidade que extrapola os próprios meios culturais e invade toda a concepção de como se deve dirigir um país. Como são todos socialistas, sua característica mais marcante é uma confiança absoluta de que tudo dever […]

A libertação da ditadura do grotesco

Ontem tivemos o estranho privilégio de ouvir, em um mesmo dia, o pronunciamento de dois presidentes do Brasil. Mais cedo, escutamos a presidente impedida, que, na verdade, deveria estar interditada, falando como uma candidata à vereadora na Câmara Municipal de Parari, atropelando as ideias, desrespeitando as normas, não da linguagem culta, mas mesmo da coloquial, […]

2016 Discursos de Cadeira
You are using the BNS Add Widget plugin. Thank You!