Anti-religiosidade marxista

Não há comunhão entre cristianismo (e qualquer outra religião) e marxismo. E não sou em quem diz, mas os próprios pensadores marxistas, como o filósofo russo Afanassiev.

Segundo ele, a religião é uma espécie de fuga que os homens, com a sensação de impotência imposta pela exploração capitalista, promovem, na busca por salvação.

Por esse motivo, a religião seria uma deformação da realidade, afastando os indivíduos dos problemas reais. Não por acaso Marx dizia que a religião é o ópio do povo.

Na verdade, a religiosidade esmoreceria nos crentes o sentido de classe. Por isso, os marxistas deveriam dedicar-se à luta contra os resquícios religiosos.

Portanto, ainda segundo o filósofo, comunismo e religião (seja ela qual for) não podem conviver.

Se alguém, portanto, diz-se cristão e socialista precisa acertar as contas com os dois lados: Jesus e os próprios marxistas.


Deixe uma resposta