Cristianização do paganismo

Um reformado do século XVI, sendo honesto e conhecedor da história, não poderia acusar o cristianismo anterior de paganismo, mas, no máximo, de despaganização parcial.

É que, quando da absorção das hordas pagãs do norte, o que o cristianismo ofereceu foi uma atenuação progressiva da mentalidade supersticiosa que as dominava. E não só elas, mas os próprios helenos e romanos viviam tempos anti-científicos desde, pelo menos, duzentos anos antes de Cristo.

Talvez, a despaganização tenha sido limitada ou pode ser que a racionalização posterior seja um tanto exagerada. O mais importante, porém, é entender que o que aconteceu entre os séculos IV e V foi mais uma cristianização do mundo do que uma paganização do cristianismo.

O manifesto da blasfêmia da Missão Integral

ariovaldo-comunistaCansei de, ao denunciar o esquerdismo escancarado dos componentes da Teologia da Missão Integral brasileira, ter de ouvir impropérios de seus defensores, principalmente tentando me convencer de que a TMI se trata apenas de um movimento voltado para uma nova forma de apresentar o Reino de Deus.

Apesar das diversas manifestações de minha parte e de tantos outros cristãos, atentos para os perigos que representa a Missão Integral para a Igreja brasileira, mostrando como seus integrantes são claramente tomados de ideologia de esquerda e agem, incessantemente, no sentido de inoculá-la no seio da comunidade cristã, tínhamos que, constantemente, nos deparar com contestações cheias de evasivas, que possuíam, como único objetivo, a dispersão, fazendo com que as pessoas não percebessem o radicalismo de suas propostas e continuassem aceitando-as como se meramente fossem obras de caridade, aplicadas por almas puras e bem intencionadas.

Ler mais

Afronta vermelha

Aqueles que vestem camisetas vermelhas, carregam bandeiras comunistas e emporcalham as praças com a cor de uma ideologia que matou centenas de milhões de pessoas pelo mundo, gritando palavras de ordem em favor de seus ídolos, não amam o Brasil. Sua paixão não é pela pátria, pelo povo, sequer pelo chão onde pisam. Eles são afeiçoados por uma ideia, apenas. Ao vestirem-se com uma cor que não possui qualquer relação com a identificação dos símbolos nacionais, afrontam o sentimento patriótico e dão um recado muito claro a todos: de que, o que importa, para eles, é manter viva a ideologia, ainda que seja ao preço de destruir o próprio país.