Conquista da liberdade

Uma das ideias mais confusas na mente das pessoas é a relativa à liberdade. Em tempos quando todos acreditam poder requerer tudo e os direitos são mais perseguidos que as obrigações, acreditam-se livres por natureza e exigem que sua liberdade seja respeitada por todo mundo, senão concedida pelos poderes terrestres.

Se observarmos bem, porém, constataremos que, naturalmente, não somos absolutamente livres. Temos apenas um relativo controle sobre nossos atos e pensamentos, mas estamos bem limitados inclusive neles, pelo ambiente que nos cerca, pela sociedade na qual vivemos e principalmente pelas nossas próprias tendências primordiais, que é decaída e tende ao inferior.

Seria bom que as pessoas entendessem que, se querem ser livres, não é reclamando por liberdade que a conquistarão. Como diz Jules Payot, “ninguém é livre se não merece ser-lo. A liberdade não é um direito, nem um fato, mas uma recompensa“.

Só é possível ter liberdade direcionando a própria vida, metodicamente, para conquistá-la. É pelo exercício da consciência e pela prática que é possível obtê-la. É pelo abandono sistemático e determinado dos grilhões que nos prendem que a alcançamos, progressivamente.

Ninguém nasce livre, mas vai se libertando com o tempo. Se bem que, o que mais eu tenho visto, são prisioneiros que jamais conseguem deixar, nem se esforçam para tanto, suas cadeias.

Deixe uma resposta