Espontaneidade selvagem

Tem gente que se orgulha por falar o que pensa, na cara de todo mundo, como se isso fosse o ápice da virtude.

Se dizem espontâneos e acreditam que, assim, agem de maneira louvável.

No entanto, espontaneidade não é necessariamente virtuosa.

Todo animal é espontâneo, diga-se de passagem. Assim, se fôssemos em tudo espontâneos, seríamos meramente selvagens.

A espontaneidade generalizada conduziria-nos à barbárie.

A evolução da civilização se dá exatamente sobre a mitigação da espontaneidade.

O homem civilizado é aquele que controla seus instintos, que modera suas reações, que abranda seus impulsos – tudo em prol da boa convivência e da harmonia social.

O autodomínio é a verdadeira virtude.

Falar o que pensa, indiscriminadamente, conforme quer e sem medir as consequências, é o mesmo que distribuir bofetões em quem achamos que merece – além de ser óbvia incivilidade, causaria todo tipo de problemas.

Ser civilizado significa refinar os modos; significa ser menos animal e mais racional, mais humano; significa controlar as reações.

Ser civilizado faz inclusive parecer meio bobo, meio frouxo, meio frágil, às vezes até meio efeminado.

Mas é só aparência. Controlar os instintos exige muita força de vontade, muito esforço.

A verdade é que o que a sociedade tem de pacífica, segura e harmoniosa deve-se ao fato das pessoas não fazerem aquilo que têm vontade.

Não fosse assim, seria apenas balbúrdia.


1 comment

  • Que bom ler isso!
    Ainda ontem, em um evento, ouvi uma senhorinha elogiando uma mulher por ser “espontânea”. Pra mim, ela era muito engraçada, um pouco barulhenta. A própria mãe (e a filha dela também) acham que ela é exagerada e, às vezes, desequilibrada, sem domínio próprio, encrenqueira.
    E eu, ouvindo aquela senhorinha, me senti uma falsa, dissimulada, por ser quieta, rir baixo, um pouco tímida.
    Muito obrigada por me mostrar que estou no caminho da civilidade.
    Bm dia!

Deixe uma resposta