O MISSIONÁRIO E O ÍNDIO ou a superioridade de uma cultura em relação a outra

Dentro do ambiente acadêmico brasileiro, dizer que uma sociedade é superior a outra soa arrogante. É que, hoje em dia, há uma convenção, alardeada por todas as esferas ditas intelectuais deste país, de que não há diferenças valorativas entre as culturas. Com isso, toda alusão ao progresso e às conquistas de um povo acaba recebendo o estigma de preconceituosa. Apontar os erros históricos de nações ou identificar que práticas de uma cultura são inferiores, sem valor ou até maléficas, chega a ser considerado um crime.

A universidade brasileira está tomada por essa ideia. Praticamente, não há um professor de Sociologia, Antropologia ou História que não repita essa mesma ladainha. E o aluno que ousar contestar isso, certamente, será tido por intolerante, quando não ignorante.

Para mostrar como a ideia de igualdade valorativa das culturas está fundada em falácias, trago como amostra o que escreveu, em um livreto muito acolhido nas faculdades brasileiras, chamado Etnocentrismo, o professor da PUC-Rio, Everardo Rocha.

Logo no início do livreto, o autor conta uma estória:

Ao receber a missão de ir pregar junto aos selvagens, um pastor se preparou durante dias para vir ao Brasil e iniciar no Xingu seu trabalho de evangelização e catequese. Muito generoso, comprou para os selvagens contas, espelhos, pentes etc.; modesto, comprou para si próprio apenas um moderníssimo relógio digital capaz de acender luzes, alarmes, fazer contas, marcar segundos, e até dizer a hora sempre absolutamente certa, infalível (…) Tempos depois, fez-se amigo de um índio muito jovem que o acompanhava a todos os lugares de sua pregação e mostrava-se admirado de muitas coisas, especialmente, do barulhento, colorido e estranho objeto que o pastor trazia no pulso e consultava frequentemente. Um dia, por fim, vencido por insistentes pedidos, o pastor perdeu seu relógio dando-o, meio sem jeito e a contragosto, ao jovem índio.

Na sequência, o professor fala do destino dado ao relógio pelo índio:

A surpresa maior estava, porém, por vir. Dias depois, o índio chamou-o apressadamente para mostrar-lhe, muito feliz, seu trabalho. Apontando seguidamente o galho superior de uma árvore altíssima nas cercanias da aldeia, o índio fez o pastor divisar, não sem dificuldade, um belo ornamento de pensas e contas multicolores tendo no centro o relógio.

E termina a estória, narrando o retorno do missionário para sua terra:

Passados mais alguns meses o pastor se foi de volta para casa. Sua tarefa seguinte era entregar aos superiores seus relatórios e, naquela manhã, dar uma última revisada na comunicação que iria fazer em seguida aos seus colegas em congresso sobre evangelização (…) Como que buscando uma inspiração de última hora examinou detalhadamente as paredes do seu escritório. Nelas, arcos, flechas, tacapes, bordunas, cocares, e até uma flauta formavam uma bela decoração.

É na sua conclusão, no entanto, que o professor Everardo Rocha, demonstra como ele pode ser considerado um modelo exato da fragilidade do pensamento universitário brasileiro. Isso porque ele simplesmente afirma que ambos os personagens fizeram, obviamente a mesma coisa. Privilegiaram ambos as funções estéticas, ornamentais, decorativas de objetos que, na cultura do “outro”, desempenhavam funções que seriam principalmente técnicas.

O que ele disse parece até correto, se não tivesse implícita uma percepção equivocada dos fatos, que ele vai deixar clara na sequência, quando afirma, sobre o índio e o pastor, que cada um “traduziu” nos termos de sua própria cultura o significado dos objetos cujo sentido original foi forjado na cultura do “outro”.

Seu equívoco reside, exatamente, em interpretar que o pastor, ao dar um destino decorativo para os objetos indígenas, agiu da mesma maneira e com o mesmo intuito que o índio, quando este ornamentou o relógio recebido de presente.

Ao tentar mostrar uma equivalência nos atos, tentando, assim, mostrar que as culturas simplesmente são diferentes, mas não, necessariamente, superiores ou inferiores, o autor acaba demonstrando exatamente a superioridade da cultura do missionário.

Isso porque, diferente do índio, o missionário deu um destino ornamental aos instrumentos indígenas, não por não saber para o que eles serviam, mas exatamente pelo contrário. As flechas, a flauta e o cocar nas paredes de seu escritório remetiam, para quem que os contemplasse, para a realidade da vida dos índios e para o uso adequado dado aos objetos no contexto próprio destes.

Ao contrário do que o professor Everardo disse, os personagens não fizeram a mesma coisa. O autor, ao tentar mostrar equivalência de intenções onde havia apenas similaridade exterior acaba provando exatamente o contrário do que pretendia.

Isso porque, ao pendurar em suas paredes os objetos indígenas, tendo plena consciência, obviamente, de qual era o destino dados pelos próprios índios a cada um daqueles instrumentos, o missionário demonstrou entender exatamente, não apenas a realidade de sua própria cultura, mas também a alheia. O jovem índio, por outro lado, ao ornamentar o relógio recebido do pastor e pendurado ele em uma árvore, simplesmente porque não sabia usá-lo e não compreendia qual sua utilidade na cultura do visitante, demonstrou sua ignorância quanto a tudo isso.

 O que o autor do livreto acabou provando é que a cultura do missionário é, no mínimo, mais abrangente que a do índio. Sendo assim, provou, também, se bem que sem perceber isso, que a cultura do pastor é, de alguma maneira, superior, sim, já que pode perfeitamente absorver a cultura indígena se quiser, pois tem plena consciência de como ela funciona.

Isso porque o valor de uma cultura é medido pela presença nela de elementos universais, que a possibilitem exatamente transitar por outras culturas sem perder sua própria identidade. É por isso que a cultura europeia era considerada superior à indígena latino-americana, pois podia ingressar no ambiente cultural desta sem sofrer perda de suas próprias características. Já uma cultura como a aborígene, por exemplo, por ser inferior, não sobrevive, sem perder sua essência, se for inserida em outros ambientes culturais.

O professor Everardo Rocha não ter percebido algo tão óbvio, sendo que seu trabalho é acolhido em tantas universidades brasileiras, apenas confirma a pobreza intelectual que assola nossa academia.

Deixe uma resposta