Cuidado com o vitimismo feminista

O Jair Bolsonaro precisa aprender uma lição urgente: nunca se dirigir a uma mulher, em público, em tom de reprovação, por mais razão que tenha e por mais que a respectiva mulher mereça. Falo isso não em tom de censura moral. Longe disso! Mas única e exclusivamente por razões de impacto eleitoral.

No confronto ocorrido entre ele e Marina Silva, no debate entre os presidenciáveis da Rede TV, em uma investida violenta e histérica da candidata, que o interrompeu, quando não era permitido a ela, segundo as regras do jogo, fazer isso, Bolsonaro reagiu, até com certa calma, dizendo diretamente para ela que ela não poderia interrompê-lo. Diante disso, alguns analistas interpretaram que a reação do Bolsonaro foi absolutamente normal e justa e, por isso, não haveria nada de prejudicial para ele no caso. Fizeram isso, claro, baseados apenas em um senso de justiça e em uma avaliação do que é certo e do que é errado. O problema é que as pessoas comuns – que são movidas essencialmente por impressões – não julgam dessa maneira.

O fato é que, por mais que as pessoas acreditem que suas escolhas são essencialmente racionais, muitas de suas decisões são baseadas em motivos superficiais, geralmente meras impressões que elas têm de um fato, um ato ou uma pessoa. Mesmo as mais intelectualizadas são assim. Quando falamos, então, de pessoas mais simples, menos instruídas, isso torna-se ainda mais evidente.

Agora, soma-se a isso anos de propaganda negativa sobre Bolsonaro, afirmando que ele é misógino, machista, sexista. Temos, então, a fórmula perfeita para destruir sua reputação: pessoas que julgam tudo por impressões, que foram bombardeadas ininterruptamente com informações negativas sobre o candidato, vendo ele agir de uma forma que parece confirmar aquela imagem que aprenderam a ter dele.

Junte-se a isso, ainda, o ambiente favorável ao vitimismo em que vivemos, onde tudo é motivo para escândalo. Um ambiente onde qualquer coisa que um homem diz para uma mulher, principalmente se for em tom de reprovação, já começa a ser tratado como agressão. Acabamos tendo, então, uma confluência de fatores contra Bolsonaro: superficialidade, manipulação e vitimismo.

Sabendo disso, é certo que Marina Silva – principalmente agora que ela percebeu a força de sua estratégia – vai explorar essa situação e, certamente, cada vez com mais força.

Por isso, insisto: Bolsonaro não deve mais se dirigir a ela, nem a qualquer outra mulher, em público, em tom de reprovação, por mais razão que tenha e por mais justa que seja a situação em seu favor. Se ele não quiser passar uma imagem que confirme a ideia de machista e intolerante, que as pessoas aprenderam a fazer sobre ele, não deve mais fazer isso. Reclame para a banca, fale para o público, dirija-se a Deus, mas não repreenda uma mulher diretamente.

Esta parece até uma preocupação pequena diante dos problemas e desafios que ele precisa enfrentar. No entanto, garanto que a maneira como ele agir, neste caso, pode ser crucial nesta eleição.

De qualquer forma, não custa repetir: essa precaução não tem nada a ver com o que é certo ou errado, mas apenas com estratégia política.

Denuncismo e a tática do caos

As pessoas se enganam com essa onda de denuncismo que toma conta do país. Para um observador desatento pode parecer que vivemos um momento de moralismo, quando os criminosos são apontados e as vítimas protegidas. Não há um dia na grande mídia que não se fale contra o preconceito, a intolerância, a violência e a necessidade de reconhecimento da igualdade de todos. Para um neófito, que ainda não entendeu o que é o mundo moderno, soa como se vivêssemos em uma sociedade tomada de pessoas preocupadas com o bem estar do próximo.

No entanto, basta uma observação um pouquinho mais cuidadosa para perceber que aqueles que tomam a frente das acusações são os mesmos que, antes disso, estimulam os atos que denunciam. Fomentam a imoralidade e o sexo livre, depois dizem que há uma cultura do estupro ou da exploração sexual. Conclamam as mulheres a fazerem o que bem entendem com seus corpos e abrirem mão de qualquer pudor, depois dizem que elas são tratadas como objeto. Promovem a relação entre gerações, inclusive em programas para adolescentes, e depois denunciam a pedofilia. Estimulam os negros a se orgulharem da raça e fazerem provocações baseadas nisso depois apontam o preconceito racial. Dizem que as mulheres devem se bastarem a si próprias e não devem respeitar homem algum, depois denunciam a violência doméstica. Falam que os padrões sexuais e o recato devem ser esquecidos e apontam aqueles que refletem isso na linguagem como quem está praticando assédio.

Apenas alguém muito desatento não vê que a tática dos movimentos coletivistas é idêntica à do diabo, que estimula o pecado para depois acusar o pecador.

O que eles querem, na verdade, não é a paz, a segurança, muito menos a moralidade ou a estabilidade social. Seu único objetivo é criar um clima de guerra e de animosidade entre os grupos. Isso porque, como bons marxistas que são, o que eles querem é o caos, para do caos extrair a hegemonia que tanto perseguem.

Quem dá ouvidos à provocação dessa histeria coletiva e a essa onda de denuncismo está, sem saber, colaborando, não para solucionar os problemas tratados, mas para fortalecer os velhos tiranos que se apresentam em novas roupagens.

 

Um assédio juvenil e a sociedade policialesca

Um garoto de vinte anos, estrela da música pop, chamado Biel, que parece ser a sensação atual das adolescentes brasileiras, está sendo duramente perseguido e boicotado porque falou umas grosserias para uma menina que diz ser jornalista. Entre essas grosserias, estão alguns elogios vis e outras baixarias, além do uso da expressão “quebrar no meio”, claramente se referindo ao ato sexual, talvez um tanto mais empolgado que o tradicional.

Dizendo-se assediada, a jornalista prestou queixa em uma delegacia e tal atitude ainda está causando para a jovem celebridade outros transtornos, como o cancelamento de aparições na tv e em eventos patrocinados. Na mídia, em geral, o julgamento em relação ao garoto parece unânime, condenando-o veementemente. E os grupos feministas não perdem a oportunidade de enquadrar tal atitude como assédio, tratando a fala do rapaz criminosa.

Essa, pelo que me parece, é uma reação absurdamente desproporcional ao ato. O que ele disse pode até ser considerado de mau gosto, mas tratar como crime vai muito além do que é devido. Quando grosseria, estupidez, incivilidade e até alguma rudeza são confundidas com assédio, isto já é sinal que atingimos o estado de sociedade policialesca, onde todos denunciam a todos, tornando-se os perseguidores uns dos outros. Além do que, o assédio exige o mínimo de coação, de ameaça. Não pode se basear apenas em expressões mal usadas ou em analogias forçadas. Sem a coação, pode haver tudo, menos crime.

Mas, ao denunciá-lo, os grupos ideológicos apenas seguem seu já conhecido modus operandi. Lançando mão do politicamente correto, vivem de denunciar qualquer atitude que, segundo o entendimento deles, vai de encontro aos seus interesses, taxando-a de ilegal. Para isso, ampliam consideravelmente a definição do que é crime, com o intuito de abarcar toda e qualquer fala ou ação que tenha potencial para, ao ser denunciada, servir de instrumento para a promoção de suas bandeiras.

E isso acaba sendo acolhido por parte da sociedade, pois as pessoas acreditam que ampliar o conceito de crime, atingindo atos que, naturalmente, não são vistos como criminosos, estão fazendo um bem a todos. Acreditam assim que ficarão mais protegidas. O que elas não percebem é que os efeitos disso são terríveis, pois a cada nova lei desnecessária que é imposta, o Estado invade um pouco mais a vida do indivíduo, oprimindo-o.

Mas não chegamos a isso do nada. Na história das sociedades, antes de qualquer ação legislativa, as principais instituições que atuavam para conter os impulsos eram os costumes, a tradição e a moral religiosa. No entanto, estas praticamente perderam seu poder no mundo contemporâneo. O problema é que, quando isso acontece, diferente do que muitos pensam, não é a liberdade que as pessoas encontram no horizonte, mas agentes do estado impondo suas leis e dizendo tudo o que os cidadãos podem ou não podem fazer e dizer.

Quando tudo se torna crime, o governo se torna mais forte, pois a ele pertence a responsabilidade e o poder de repressão. Quando para tudo é preciso lei, ficamos todos subjugados a autoridade do Grande Irmão.

 

O feminismo faz das mulheres inferiores

feminismo-fragilNão conheço uma força maior do que a da mulher. Por detrás de sua aparência frágil, de sua meiguice característica, reside um poder fenomenal. No entanto, tal domínio não se dá por sua capacidade física, mas por outro meio muito mais sutil e amplo, que é a sensibilidade.

E é essa sensibilidade que lhe permite fazer uso de meios que aos homens são praticamente inacessíveis. Por ser sensível, a mulher possui uma capacidade de encantamento, um poder de manipulação e uma força de atração impensáveis para qualquer representante do sexo masculino. Continue lendo

Cultura do estupro: uma invenção feminista

Existem ideias e expressões que são postas em circulação e são fruto de uma irresponsabilidade sem igual. Muitas das pessoas que as repetem não param para pensar sobre as consequências do que dizem. Apenas seguem replicando-as, certas de que defendem algo razoável quando, de fato, amplificam uma injustiça e inverdade. Continue lendo

A cultura do estupro é mero diversionismo

feministas-se-manifestandoDentro da estratégia gramsciana de hegemonia, uma tática usada amplamente é o diversionismo. E este consiste em, simplesmente, criar algum tipo de confusão, como discussões, debates e indignações, fazendo com que todos comecem a prestar atenção nisto, tirando do foco do problema principal que, normalmente, denuncia aqueles mesmos que estão tumultuando.

Esse diversionismo também é uma forma de manter o controle do debate, não permitindo que questões novas sejam levantadas, ameaçando, assim, revelar a verdadeira natureza dos fatos e, ainda, capitalizar sobre o problema, fazendo com que até situações que, em princípio, seriam prejudiciais ao movimento, acabando por contribuir para seu fortalecimento. Continue lendo

Quando a beleza e a virtude agridem

img_1524O rancor em relação à norma é a característica mais marcante dos movimentos revolucionários. Está em sua gênese o ódio a tudo o que represente a realidade como ela é, sem artificialidades, nem transformações extremas. A vida, como ela se apresenta, é uma afronta para a mentalidade rebelde, que, de tão insatisfeita consigo mesma, busca refúgio na ilusão, na utopia, em um mundo que existe somente em sua cabeça.

O revolucionário se debate contra tudo o que é natural. Seus raciocínios estão sempre em conflito com a realidade. Eles não aceitam o mundo como é, as idéias como se apresentam, a sociedade como foi construída. Por isso, o revolucionário quer a tudo destruir e começar uma nova civilização desde o nada. Continue lendo