A natureza espiritual maligna do marxismo

O marxismo é, de diversas maneiras, uma usurpação e uma paródia mal feita tanto da religião cristã, como da própria civilização ocidental. O que ele fez foi tomar tudo o que nosso mundo criou e desenvolveu e reter com ele, como se ele, o marxismo, fosse o possuidor legítimo de suas qualidades.

Foi dessa maneira que ele se apropriou da linguagem cristã, de sua moral e também de seu caráter salvífico, tentando substituir o cristianismo como solução viável para as necessidades e expectativas do ser humano. E tomou para si ainda o que a própria Europa ofereceu ao mundo, arrogando-se de herdeiro de suas conquistas. Tanto que, nas palavras de Lenin, “o marxismo é o sucessor natural da filosofia alemã, da economia política inglesa e do socialismo francês”.

Formou-se assim, respectivamente, o espírito, a alma e o corpo dessa entidade maligna que surgiu para enganar o mundo com sua promessa de redenção.

Quem acha que o marxismo é apenas uma ideia, engana-se redondamente. É bem mais que isso. Ele é uma manifestação espiritual, um produto dos tempos, um filhote de um cristianismo cansado e desiludido.

Por isso, atacá-lo apenas politicamente é tão inócuo como querer derrotar um demônio a vassouradas.

O espírito marxista precisa ser encarado em várias frentes, como ideia e como força política, mas também como poder invisível e sutil, o qual se vence com palavras e força, mas também com inteligência, jejum e oração.

Rob Bell e a eternidade do Inferno

A eternidade infernal sempre será uma afronta à nossa percepção do divino. O aconchego do descanso no amor incondicional do Pai parece aviltado pela possibilidade de um castigo que é eterno. Com os instrumentos naturais, com o entendimento e sentimento apenas, acreditar que Deus permitirá que homens e mulheres sejam, sem cessar, punidos, nos parece cruel demais, mesmo em relação aos homens mais pecadores. Se alguém não sente esse incômodo, é porque está anestesiado por uma religiosidade fria, apartada da realidade.

Isso explica muito o sucesso de Rob Bell, pastor-fundador da Mars Hill Bible Church, em Grand Rapids, Michigan, nos Estados Unidos. Ao assumir uma crença universalista, tornando o Inferno, ou algo parecido, apenas uma coisa passageira, afirmando que, no fim das contas, todos serão restaurados para a comunhão divina, foi ao encontro do anseio de muitas pessoas que, mesmo sendo cristãs, não conseguem enfrentar a dureza daquela verdade revelada.

Em seu livro, “O amor vence”, o pastor Bell tenta expor sua doutrina, que, em essência, é universalista e, assim, causou certo alvoroço no meio cristão, principalmente protestante. No entanto, esse debate ocorre menos pelo tema em si, que é tão velho quanto o próprio cristianismo, mas porque o ministro americano é quase uma celebridade e, assim, o que diz, de alguma maneira, tem influência no povo cristão, não apenas daquele país, mas chegando mesmo nestas terras longínquas.

O universalismo é, resumidamente, a crença de que todos os seres inteligentes serão, em algum momento, restaurados à plena comunhão com Deus. Assim, o Inferno, se existir, não será eterno. O fundamento principal para essa crença é o amor divino. Os universalistas acreditam que se Deus é amor, não faria sentido permitir que os homens, que em sua totalidade são objetos desse amor, sofressem infinitamente as penas infernais.

Na história da Igreja, houve pensadores universalistas, muitos deles bem conceituados, como Clemente de Alexandria e Orígenes. Entre os modernos, é conhecido o universalismo de R. N. Champlin, erudito protestante que, em seus escritos, tem servido de apoio para muitos estudantes de Teologia.

Todo esse debate, porém, não está centralizado na questão geral do universalismo, já que este não é um assunto passível de discussões por incautos e incultos. O que acaba se tornando objeto de opiniões é o consequente entendimento sobre o Inferno que a ideia universalista lega para os estudiosos, estudantes e leitores da Bíblia.

Se haverá uma restauração derradeira de todas pessoas, o Inferno, logicamente, não é eterno. Se ele existe, no máximo, servirá como um período de emenda. No fim, desaparecerá, por simples inutilidade e esvaziamento, o que o torna muito parecido com um Purgatório, na verdade.

Rob Bell crê nisso, apesar de não deixar claro se o Inferno é um lugar, um estado ou um momento. E quando se depara com as palavras de Cristo, que afirma que irão alguns pecadores “para o castigo eterno, porém os justos, para a vida eterna”, o pastor simplesmente afirma que Jesus não está falando de um castigo “para sempre”. Ora, se castigo eterno não significa para sempre, significa o quê, então? Por mais que o pastor faça um malabarismo para explicar o significado da palavra grega aion, no que ele não está essencialmente errado, já que um de seus significados seria mesmo “era”, a palavra usada no livro de Mateus, aionios, é um adjetivo que é, mais usualmente, entendido como algo sem começo, sem fim, ou sem começo e fim, ou seja, eterno. Portanto, é muito difícil interpretar de outra maneira as palavras de Jesus.

A questão principal e mais trivial, no entanto, é que o Inferno, como nos é revelado, existe, como algo sem fim, portador de penas sem fim. Ainda que compreendê-lo dessa forma seja uma afronta à percepção natural, assim é que nos está ensinado pelos Evangelhos. E é exatamente esse incômodo e essa agressão ao natural que o torna tão convincente. Sendo o extremo negativo da existência, o afastamento completo do Criador, sua realidade coloca o homem presente no intermédio entre duas pontas que o direcionam decididamente. Seria ingênuo acreditar que os seres humanos, apenas por sua intuição, raciocínio e sensibilidade naturais, fossem capazes de compreender a realidade da bondade divina e por Deus decidir. O inferno e o céu são realidades que revelam os extremos da existência, que por suas características principais – o afastamento ou a comunhão plena com Deus, têm também a função de fazer o ser humano decidir pela segunda. Sem o entendimento desses dois extremos, restaria ao homem a confusão de sua própria realidade presente, difusa, dicotômica, incerta e vacilante. Neste caso, o certo e o errado, o bem e o mal e a verdade e a mentira estariam misturados a ponto de não se diferenciarem.

Quando o pastor americano afirma, categoricamente, sobre a não eternidade do Inferno, ele está indo um pouco além do que está revelado. Mais importante, porém, de saber se ele tem razão ou não, é entender que afastar a ideia do castigo eterno do imaginário das pessoas é lançá-las na confusão de suas próprias existências dúbias. Se assim o Inferno foi revelado é porque é assim que ele deve ser entendido. O que Deus fará depois, isso é apenas problema Dele.

Uma ideologia religiosa

Não é possível negar a expansão que as ideias marxistas tiveram por todo o mundo. Além dos países que viveram ou ainda vivem sob governos explicitamente comunistas, há tantos outros que, sob bandeiras aparentemente menos extremas, como a da social-democracia, do trabalhismo ou até de democratas, continuam avançando a ideologia de Karl Marx a conquistas cada vez mais amplas.

Como, porém, uma ideologia fundamentada em textos de um pensador medíocre, que errou praticamente todas suas previsões, que cometeu fraude intelectual na apresentação de vários dados que corroboravam suas teses e que criou uma filosofia que é, no máximo, um arremedo materialista do idealismo hegeliano, pôde obter tamanho inserção em boa parte das cabeças deste mundo?

A resposta dada pelo escritor Heraldo Barbuy, em seu livro Marxismo e Religião, é direta: o marxismo se mantém cada vez mais forte simplesmente porque possui aspectos maiores do que ideológicos; é, na verdade, uma verdadeira seita religiosa. Mesmo com os erros de previsão, mesmo com as análises eivadas de incongruências, o marxismo permanece porque o cerne de sua força não está em suas ideias, mas em seu espírito – um espírito de seita.

Como em toda seita, no marxismo a correção lógica, a rigidez filosófica ou a comprovação dos dados oferecidos são, simplesmente, dispensáveis. Se houverem, servirão para corroborar suas teses. Se não existirem, mais importante é a manutenção do fervor religioso e do apego emocional àquilo que é mais do que uma corrente de pensamento, mas uma verdadeira expressão religiosa.

Considerando que Marx, segundo bem demonstra Richard Wurmbrand, no livro Era Karl Marx Satanista?, possui todas as características e ideias de um, no mínimo, apreciador do demônio e, considerando também, que o diabo é um perpétuo imitador das coisas divinas, não é difícil imaginar como o marxismo desenvolveu seus aspectos miméticos, os quais estão contidos nos fundamentos, na cultura e nas ideias que professa.

Há no marxismo, como é comum nas seitas, também seus profetas. No caso da ideologia fundamental do esquerdismo mundial, estes são Marx e Friedrich Engels – amigo e provedor daquele. Eles, como os profetas de qualquer religião, transmitiram sua visões sobre os tempos futuros, apontaram as mazelas do presente e, de alguma maneira, prognosticaram sobre os últimos dias. Se erraram quase tudo que disseram, o que importa? Pelo contrário, o criador da teoria da Dissonância Cognitiva, Leon Festinger, já demonstrara como as seitas se fortalecem exatamente sobre seus erros mais importantes.

Outra imitação diabólica contida no marxismo, e que o caracteriza ainda mais como uma cópia religiosa, está na sua promessa de um paraíso vindouro. À semelhança do céu cristão, o futuro marxista é o tempo quando os males cessarão, a harmonia prevalecerá e os aspectos opressores do tempo presente não mais terão força. Até um certo saudosismo de uma Era de Ouro, nesse caso em uma interpretação tosca do paraíso adâmico, existe nos escritos de Marx, Engels e outros de seus apóstolos. Para eles, também com alguma semelhança com o Reino celeste de Cristo, o futuro paradisíaco comunista será um tempo além da história, quando os aspectos que afetam o presente não mais terão efeito.

Além de possuir sua própria Bíblia – no caso, o livro O Capital, do próprio Marx, o marxismo possui também o seu diabo. Enquanto, para o cristão, o diabo representa aquele que age com o intuito principal de afastar o homem da comunhão e compreensão da verdade divina, no marxismo é o capitalismo e seus burgueses (como Lúcifer e os demônios), aqueles que afastam o homem da verdade. Da mesma maneira que o diabo obscurece o entendimento do homem, para que não perceba sua condição de pecador necessitado de redenção e cura, o proletariado oprimido é alienado pelo capitalista que, por meio de seus métodos, impede que ele perceba o seu estado de alienação e busque a redenção por meio da consciência de sua posição e pela luta contra essa classe opressora.

A imitação parece que foi tão ampla que inclusive as falhas da cristandade se repetem no seio do marxismo. Basta ver como ele progrediu dividindo-se em novas seitas, variações, partidos e dissensões que, a despeito de cindirem, de alguma maneira, a homogeneidade ideológica, mantiveram um núcleo de fé inabalável.

Por isso, torna-se tão difícil convencer um marxista que a ideologia que ele professa é uma fraude. Por mais que se apresente para ele que, por exemplo, previsões como a pauperização ininterrupta do proletariado e o colapso do capitalismo não ocorreram de forma alguma (pelo contrário, os trabalhadores vivem em condições cada vez melhores e o capitalismo apenas experimentou um fortalecimento desde os tempos daqueles dois pensadores alemães), isso não afetará em nada sua crença.

Como escreve o professor Barbuy, “o marxismo não era ciência, e sim religião; indiferente aos fatos que o contradizem, progrediu como fé“. Assim, não resta nada mais senão combatê-lo como heresia, não como ideia.