Os efeitos intelectuais da submissão ao politicamente correto

Uma das maneiras mais eficientes de alguém emburrecer rapidamente é submeter-se aos ditames do politicamente correto. Por isso, quem tiver o interesse de proteger sua inteligência, o primeiro passo é entender que sua subjetividade é muito valorosa para se deixar escravizar pelas ordens vindas de coletividades formadas por pessoas que há muito tempo abriram mão de seus cérebros em favor de uma mente amorfa e simiesca.

O fato é que o politicamente correto impede o desenvolvimento da inteligência. Isso porque ele não permite que o espírito humano se manifeste com espontaneidade, pois impõe, desde fora, as formas predeterminadas de linguagem. E são principalmente os adjetivos que sofrem mais intensa perseguição, criando-se uma verdadeira lista de palavras proibidas, ao mesmo tempo que cria outra com aquelas que devem ser usadas obrigatoriamente, sob pena de repreensões severas. Que em um ambiente assim as pessoas tenham sua capacidade de raciocínio atrofiada não é de se espantar.

Outro problema é que, baseado em eufemismos, o politicamente correto suga o espírito da coisa referida, arrancando o seu sentido verdadeiro, revestindo-a com nomenclaturas que apenas fazem referências distantes ao que ela é, de forma sempre a amenizar a realidade, parecendo dizer algo completamente diverso do que diz de fato. A questão é que quem se habitua a falar assim acaba perdendo contato com a realidade, passando não mais a descrevê-la como a percebe, mas fazendo o movimento contrário, enxergando-a pelas lentes da linguagem predeterminada. Não há como não perceber que essa forma de agir vicia o cérebro, que desacostumado de dizer o que realmente vê, começa a raciocinar apenas abstratamente, perdendo completamente a conexão com o mundo real e tornando dependente de algo exterior que lhe informe como cada coisa deve ser descrita. Disso para as pessoas não conseguirem mais narrar fatos simples de suas vidas ou expor as ideias mais banais é uma consequência óbvia.

Além de tudo isso, há ainda o fato de a submissão ao politicamente correto alijar a criatividade, impedindo sua plena manifestação. Como para ele, qualquer sinal de pensamento independente e de desprezo em relação às suas imposições é vista como arrogância e intolerância, qualquer um que se atreva a falar diferente dos demais, se referindo ao mundo em sua volta conforme o percebe, sofre um policiamento intenso e constante. A pessoa então, a fim de não ferir suscetibilidades, começa a falar de uma maneira excessivamente controlada, chegando ao ponto de ser o fiscal de si mesmo no uso da linguagem. É evidente que impedida da manifestação fora dos ditames rígidos do politicamente correto, a inteligência se tornará menos criativa e mais conformista, tendendo a repetir aquilo que já está definido, o que é a antítese do espírito artístico. Basta ver a escassez de uma arte de alto nível para confirmar isso. Alguns discordantes talvez levantem uma pequena objeção neste ponto, afirmando que em momentos de repressão a arte tende a se manifestar com mais força. E não demoram a citar o caso dos artistas brasileiros na época do governo militar. Nesta questão, deve-se considerar três hipóteses: 1) que a arte daquele período não seja tão boa assim; 2) que a repressão não fosse tão forte como dizem; 3) que a repressão não impede a boa arte. Considerando a arte produzida na Coréia do Norte, minha tendência é acreditar que somente as duas primeiras hipóteses podem ser verdadeiras.

Por tudo isso, permitir que o politicamente correto se imponha é o mesmo que castrar-se intelectualmente. Quem pretende preservar a integridade de sua inteligência deve mandar às favas toda norma de polimento bocó e uso forçado de eufemismos e preocupar-se unicamente em descrever as coisas como elas realmente são, da forma como são exatamente percebidas. Só assim poderá manter-se são em meio à loucura de uma sociedade que elevou o politicamente correto à norma indiscutível.

 

Originalmente publicado no Liceu de Oratória

3 comentários sobre “Os efeitos intelectuais da submissão ao politicamente correto

Deixe uma resposta