Sociedade inativa, sociedade morta

As pessoas falam de economia como se ela fosse um mecanismo autônomo, frio, inumano, que se refere apenas a dinheiro e propriedade.

Então, quem se preocupa com o destino econômico do país é tido por insensível, como se essa pessoa fosse egoísta ou materialista.

Só que economia é muito mais que isso: economia é a própria vida humana. Os homens vivem para produzir, para criar, para transformar.

Quando isso é tirado deles, nada mais faz sentido.

Por isso, quando alguém vem dizer que primeiro devemos salvar vidas, para depois pensar na economia, isso não tem sentido algum.

Salvar a economia é também salvar vidas.

Nenhuma desgraça, nenhum perigo, nenhuma ameaça justifica uma sociedade parar. Nem a morte justifica isso. Até porque uma sociedade imobilizada é uma sociedade que já morreu.

É por essa razão que muitas nações não aderiram a uma querentena quase total. Elas têm uma civilização a preservar e elas sabem as consequência de se não fazer isto.

Deixe uma resposta