A certeza dos relativistas

Há uma confusão que reside na mente de alguns iluminados que se consideram exemplos de fé inabalável: entender o vacilo do outro como relativismo. Insensibilizados pela própria arrogância e confundidos pela própria ignorância, acusam quem mostra algum tipo de hesitação, tipicamente humana, de serem propagadores de relativismo. No entanto, relativismo não se confunde com dúvidas ou vacilos de fé. Enquanto estes se manifestam por situações relativas à experiência, como algum tipo de frustração ou pessimismo, o relativismo caracteriza-se por uma certeza intelectual: a de que tudo é relativo. Continuar lendo

A função da religião

“Muito da vida religiosa é uma insistência em autoafirmações com o intuito de fortalecer a própria fé, para convencer a si mesmo que algo faz sentido, apesar de tudo indicar o contrário. E talvez seja essa mesma uma de suas funções: ajudar a pessoa a superar a realidade que parece insuportável”.

‘A Morte da Razão’, de Francis Schaeffer

O homem integral se desfez em pedaços e talvez não se junte jamais!

O desespero do homem moderno não é fruto de seu materialismo, mas de uma espiritualidade vazia de sentido, que valoriza o místico por ele mesmo, não havendo com quem manter comunhão. Tendo substituído a visão do homem integral pela dissociação da graça e da natureza, o ser humano acreditou ter encontrado a liberdade, mas se deparou unicamente com a angústia. Vivendo uma autonomia sem fundamentos, tornou-se escravo de sua própria liberdade, restando apenas a desesperança de qualquer redenção razoavelmente racional.

Continuar lendo