Cientistas iconoclastas e o conservadorismo da ciência

Cientistas de mentalidade revolucionária, ansiosos por destruir os pilares da sociedade, são, além de desconhecedores dos princípios de sua própria atividade, altamente contraditórios.

Isso porque o fundamento de toda e qualquer ciência é absolutamente conservador. Por mais que isso soe quase como um insulto às pretensões aniquiladoras dos cientistas e fira seus espíritos iconoclastas, a atividade científica só se torna profícua quando exercida de maneira respeitosa ao que já existe.

O que é a prática científica senão a pressuposição de que há uma estabilidade no mundo que permite com que o cientista repita suas experiências diversas e diversas vezes, muitas delas por um longo período tempo, a fim de comprovar ou ver refutada sua tese? Afinal, se o mundo não oferecesse essa estabilidade, toda experiência seria nova e não se poderia fazer referência às anteriores, pois faltaria aquele elemento de continuidade que permite com que o cientista considere o que foi colhido como válido para suas conclusões atuais.

Além disso, é da prática científica o respeito pelas conquistas das experiências realizadas, considerando-as válidas e tomando-as como base para as experiências atuais e futuras. Não há vivência científica sem isso. E esta é a exata essência de um pensamento conservador, o qual prefere viver sustentado por aquilo que já foi conquistado.

Portanto, quando me deparo com um cientista de pensamento revolucionário, que tem como sua principal motivação o desejo de ver destruídas as conquistas de seus pares, com aquela ânsia por oferecer novidades, como se o papel principal da ciência não fosse, em vez disso, trabalhar sobre o que já existe, ocorrem-me sérias dúvidas sobre sua capacidade técnica, sua inteligência e, inclusive, sua honestidade.

Deixe uma resposta