O anti-intelectualismo de alguns cristãos

Quando eu declaro que quero a companhia dos gênios, não demora a aparecer alguém, de espiritualidade mais elevada, para repreender-me, instando-me a buscar a companhia dos santos. Nisto, espera me dar uma lição piedosa: a de que mais vale a santidade que a inteligência. Mais ainda: que o conhecimento não é uma virtude, e querê-la indica algum tipo de erro. O que a pessoa tenta fazer, obviamente, é opor a espiritualidade à razão, como se aquela fosse sempre superior e esta, de alguma maneira, repreensível.

Quando um cristão comete esse tipo de atitude, na verdade, assume a caricatura imposta pelos detratores da religião, dando suporte às críticas, em geral, infundadas, à cultura anti-intelectual que prevaleceria no cristianismo.

É certo que, durante a história da Igreja, sempre houve aqueles que alçaram suas vozes contra à erudição e alguns chegaram mesmo a condenar a inteligência. Mas não é difícil constatar que estes nunca foram seus protagonistas. Quem realmente fez a roda do cristianismo girar foram, quase sempre, homens muito cultos. Do apóstolo Paulo, passando por Inácio, Agostinho, Tomás, Lutero, Calvino e dezenas ou centenas de outros nomes, tratavam-se todos personagens de cultura vastíssima e muitíssimo inteligentes. Mesmo aqueles que se opuseram ao uso, na perspectiva deles mesmos, exagerado da razão, como Tertuliano, eram pessoas muito preparadas. Até místicos como Tomás de Kempis e Meister Eickhardt possuíam uma erudição evidente. Portanto, o louvor à burrice não tem nada a ver com o cristianismo, nem pode indicar algum tipo de santidade.

Até porque aqueles que invocam a superioridade da ignorância são os mesmos que se aproveitam das conquistas dos gênios. Na verdade, se quisessem se manter coerentes, deveriam esquecer toda doutrina, praticando um tipo de religião natural, animista. Mas é assim mesmo: o estúpido se aproveita de tudo os que os inteligentes lhe fornecem, acreditando, com sinceridade, que as coisas sempre foram como se lhe apresentam. Neste ponto, José Ortega y Gasset foi cirúrgico, ao dizer que o homem vulgar, ao se encontrar com este mundo técnica e socialmente tão perfeito, pensa que foi criado pela natureza, e nunca se lembra dos esforços geniais de indivíduos excepcionais que a sua criação pressupõe.

Isso acontece, no seio do cristianismo, porque muitos crentes ignoram, por completo, todas as controvérsias, disputas, reflexões, tratados e estudos que ocorreram na história da Igreja. Por isso, crêem que a doutrina surgiu pronta e acabada, direto do céu, para eles. Parece até que acreditam que a sabedoria do alto se dá por infusão, sem a intermediação da razão. Claro que isso pode acontecer, como há indícios de algo semelhante nas próprias narrativas bíblicas. No entanto, o extraordinário não é a regra, e esta informa que quem não se esforça tende a ficar estúpido mesmo.

O que falta para muitos cristãos é entender que há uma relação muito íntima entre espiritualidade e inteligência, a ponto de não existir uma sem a outra. O problema, é que poucos sabem até mesmo o que cada uma delas significa.

No fim das contas, o que eu observo é que esse ódio à erudição, demonstrado por muitos que se acham espirituais, apesar de qualquer argumento que se use, não passa de pura inveja. Um incapacitado, por escolha, a exigir que todos, como forma de alimentar sua falta de humildade em reconhecer a capacidade alheia, se mantenham em seu raso nível. Esse ódio é, nada menos, que um defeito moral. Não possuindo disposição para a busca de conhecimento, prefere criticar quem o faz. Não se trata, portanto, de convicção, mas de mera preguiça.

Publicado originalmente no Núcleo de Estudos Cristãos.

 

Deixe uma resposta