Mau e importante

Não há melhor adversário para um inimigo perigoso do que aquele que o ignora.

No entanto, eu tive uma surpresa ao oferecer meu curso sobre os fundamentos da filosofia marxista: muitos daqueles que se dizem inimigos do marxismo condenaram minha iniciativa. Na cabeça deles, se algo é mau deve ser ignorado.

Algumas pessoas simplesmente não conseguem entender alguém dedicar seu tempo estudando algo no que não acredita e que entende ser errado. Como disse o Guto Perreti: o brasileiro não sabe a diferença entre o que é importante e o que é  bom. Se identificam que algo é ruim, concluem que deve ser desprezado.

No entanto, o marxismo pode ser mau, nocivo, perigoso, mas, diante do seu poder de infiltração na cultura e na mentalidade das pessoas, tornou-se algo de extrema importância, passível de estudos aprofundados.

Lembro-me do quanto, em um determinado período da minha vida, quando dava aulas de teologia, dediquei-me ao estudo da demonologia. Com o marxismo, agora, acontece algo semelhante: estudar as ideias de Marx e seus seguidores é, para mim, como tentar entender a atuação de uma horda de demônios e sua influência sobre os homens.

Nisto está a importância do marxismo: sendo uma ideia que penetrou na cabeça das pessoas e moldou a forma delas pensarem, entendê-lo se tornou essencial.

Ainda bem que nem todo mundo é idiota neste país. Há diversas pessoas que sabem a importância de se compreender não apenas aquelas ideias às quais nos afeiçoamos, mas principalmente aquelas que mais influenciam as pessoas, ainda que estejam completamente equivocadas.

É para estas que me dirijo.


Deixe uma resposta