Quem manda no jogo

Eleição não é concurso de etiqueta, nem prova de bons modos. Eleição é voto adquirido geralmente pelas razões mais irracionais, como identificação e simpatia.

Dito isto, deve-se levar em conta que maiores chances tem aquele que aparece, aquele que dá a impressão de estar controlando o pleito. E nesta eleição há apenas um candidato assim. Todos os outros estão agindo como coadjuvantes do ator principal, que é praticamente a única notícia e que, mais ainda, parece controlar a mídia a seu bel-prazer, com frases de efeito, polêmicas e recepções por multidões.

Na cabeça das pessoas, quem vocês acham que está sendo percebido como mais capaz de ser presidente da República? Quem conduz no jogo é visto como aquele quem tem mais autoridade e mais poder. Por isso, Bolsonaro não apenas lidera, mas tende ainda a crescer nas pesquisas.

Ajuda adversária

Narrativas que são criadas para destruir algo, se não alcançam seu intento, acabam por fortalecê-lo. E é isso o que está ocorrendo com Jair Bolsonaro, desde quando ele começou a aparecer na mídia como pretendente à cadeira presidencial. Por mais que se tenha falado dele com o uso dos piores adjetivos, em nenhum momento ele sofreu algum tipo de desgaste ou de perda de vigor entre seus eleitores. Pelo contrário, parece que quanto mais estórias inventam a seu respeito, mas ele se fortalece e cresce nas intenções de voto. Mas isso não acontece por acaso.

Essas narrativas – geralmente, tirando conclusões desvirtuadas de fatos e falas apartadas de seus contextos verdadeiros – pretendem apresentar o candidato como alguém desprezível, reprovável, não digno de confiança. No entanto, deve-se atentar que, antes de mostrar quem ele é, o que essas narrativas fazem é mostra-lo, de qualquer jeito. E isso o ajuda.

O que esses criadores de narrativas não entendem é que as conclusões que eles propõem embutidas nelas não são absorvidas de imediato pelo espectador. Na verdade, essas conclusões precisam ser, de alguma maneira, processadas, compreendidas e, por fim aceitas. Já a imagem que eles apresentam, esta não passa por um processo tão complexo – ela é absorvida na hora.

Em geral, o espectador não conclui que fulano ou sicrano é corrupto, mau, inconfiável. Ele, na verdade, percebe isso. O que eu quero dizer é que a maioria das pessoas, em princípio, não conclui sobre um caráter de uma outra pessoa – sobre o qual elas possuem informações truncadas e parciais – por meio de um processo racional e argumentativo. Caráter – que está ligado a credibilidade e Aristóteles chamava de ethos – é muito mais percebido do que inferido.

Sendo assim, uma narrativa que tenta destruir a imagem de uma pessoa, antes de conseguir isso, vai fazer algo em favor dela: apresentá-la. E ao apresentá-la dará a chance para ela ser observada por aqueles que ainda não a conhecem e, caso ela possua, em aparência, as qualidades positivas que esses espectadores esperam ver nela (credibilidade – ethos), a narrativa negativa será ignorada e o que permanecerá será a imagem positiva.

É por isso que Bolsonaro não ‘desidrata’, como esperavam alguns iluminados da mídia. Porque, cada vez que essa mesma mídia o destaca, ainda que em uma tentativa de destrui-lo, ela acaba dando a chance para que mais pessoas, que ainda não o conheciam melhor, possam olhar para ele, captar sua credibilidade e acabar confiando nele.

Não que essas narrativas maledicentes não tenham efeito em outros contextos. Elas podem funcionar muito bem em relação a pessoas já suficientemente conhecidas. Nestes casos, tais narrativas podem entrar para fortalecer uma percepção já existente nas mentes. No caso de Jair Bolsonaro, porém, isso não acontece, por ser ele ainda razoavelmente desconhecido de boa parte das pessoas, não havendo ainda uma imagem definida a ser destruída pela narrativa.

É por essa razão que insistirem tanto em falar de Bolsonaro é um favor que fazem a ele. Mas é evidente que não seria assim se o capitão não tivesse as caraterísticas pessoais que causassem essa identificação positiva com o povo. No entanto, ele as possui. Na verdade, seu jeito, sua maneira de pensar, sua forma de agir e até suas dificuldades próprias são muito semelhantes a do homem comum, que vê nele, neste momento de completo desalento com qualquer tipo político, alguém semelhante.

Por isso, a mídia e mesmo seus adversários de campanha fazem, ainda que sem querer, um serviço em favor de Bolsonaro. Ainda que ele tenha um espaço menor dentro dos grandes veículos de comunicação para apresentar-se ao povo, ele pode contar com seus adversários para fazer isso por ele.

Cuidado com o vitimismo feminista

O Jair Bolsonaro precisa aprender uma lição urgente: nunca se dirigir a uma mulher, em público, em tom de reprovação, por mais razão que tenha e por mais que a respectiva mulher mereça. Falo isso não em tom de censura moral. Longe disso! Mas única e exclusivamente por razões de impacto eleitoral.

No confronto ocorrido entre ele e Marina Silva, no debate entre os presidenciáveis da Rede TV, em uma investida violenta e histérica da candidata, que o interrompeu, quando não era permitido a ela, segundo as regras do jogo, fazer isso, Bolsonaro reagiu, até com certa calma, dizendo diretamente para ela que ela não poderia interrompê-lo. Diante disso, alguns analistas interpretaram que a reação do Bolsonaro foi absolutamente normal e justa e, por isso, não haveria nada de prejudicial para ele no caso. Fizeram isso, claro, baseados apenas em um senso de justiça e em uma avaliação do que é certo e do que é errado. O problema é que as pessoas comuns – que são movidas essencialmente por impressões – não julgam dessa maneira.

O fato é que, por mais que as pessoas acreditem que suas escolhas são essencialmente racionais, muitas de suas decisões são baseadas em motivos superficiais, geralmente meras impressões que elas têm de um fato, um ato ou uma pessoa. Mesmo as mais intelectualizadas são assim. Quando falamos, então, de pessoas mais simples, menos instruídas, isso torna-se ainda mais evidente.

Agora, soma-se a isso anos de propaganda negativa sobre Bolsonaro, afirmando que ele é misógino, machista, sexista. Temos, então, a fórmula perfeita para destruir sua reputação: pessoas que julgam tudo por impressões, que foram bombardeadas ininterruptamente com informações negativas sobre o candidato, vendo ele agir de uma forma que parece confirmar aquela imagem que aprenderam a ter dele.

Junte-se a isso, ainda, o ambiente favorável ao vitimismo em que vivemos, onde tudo é motivo para escândalo. Um ambiente onde qualquer coisa que um homem diz para uma mulher, principalmente se for em tom de reprovação, já começa a ser tratado como agressão. Acabamos tendo, então, uma confluência de fatores contra Bolsonaro: superficialidade, manipulação e vitimismo.

Sabendo disso, é certo que Marina Silva – principalmente agora que ela percebeu a força de sua estratégia – vai explorar essa situação e, certamente, cada vez com mais força.

Por isso, insisto: Bolsonaro não deve mais se dirigir a ela, nem a qualquer outra mulher, em público, em tom de reprovação, por mais razão que tenha e por mais justa que seja a situação em seu favor. Se ele não quiser passar uma imagem que confirme a ideia de machista e intolerante, que as pessoas aprenderam a fazer sobre ele, não deve mais fazer isso. Reclame para a banca, fale para o público, dirija-se a Deus, mas não repreenda uma mulher diretamente.

Esta parece até uma preocupação pequena diante dos problemas e desafios que ele precisa enfrentar. No entanto, garanto que a maneira como ele agir, neste caso, pode ser crucial nesta eleição.

De qualquer forma, não custa repetir: essa precaução não tem nada a ver com o que é certo ou errado, mas apenas com estratégia política.

Uma tática malévola, mas inteligente

A insistência petista em lançar o Lula como candidato à presidência da República parece, à primeira vista, apenas a teimosia de um partido que viu todo o seu poder desmoronar nos últimos anos. As constantes petições judiciais e a ininterrupta narrativa em favor do presidiário como concorrente oficial ao cargo máximo da nação dão a impressão de tratar-se de mera insistência em algo perdido.

No entanto, quem está apenas enxergando desvario nessa tática, na verdade, não está entendendo nada do que está acontecendo.

O PT, de fato, não possui esperança de que seu líder possa oficialmente participar do pleito. O partido sabe que a decisão da justiça é irrevogável e sequer há apelo popular para a libertação do condenado. Seu objetivo é, com efeito, manter, no imaginário da população, a ideia do Lula candidato. Mais ainda, um candidato injustiçado, impossibilitado de participar plenamente da campanha por forças que não querem permitir o seu retorno. Em uma ofensiva que envolve vários meios, o que o partido quer é que o nome de Lula seja mantido o máximo de tempo possível como alguém que está disputando as eleições, a fim de que seus eleitores cativos sejam mantidos fiéis até o mais próximo possível do dia da votação.

O melhor dos mundos, para eles, seria que o rosto de seu candidato aparecesse nas urnas eletrônicas. Porém, como isso será muito difícil, a tentativa é conseguir com que o nome de Lula chegue o mais próximo possível de outubro para que, em cima da hora, o partido posso sinalizar para seus eleitores que, já que eles estão com Lula, e Lula está sendo impedido de concorrer, então que votem em seu Vice, o Fernando Hadadd.

E por que eles não fazem isso já agora? Simplesmente porque, se fosse pedida a transferência de votos neste momento, ficaria muito claro, para a população, que o candidato é Hadadd, e não Lula. E aquele não tem um centésimo do capital político deste para disputar esse pleito.

Portanto, há de se concordar que essa, apesar de malévola, é uma tática bastante inteligente e não deve ser menosprezada por seus adversários.