Cientistas iconoclastas e o conservadorismo da ciência

Cientistas de mentalidade revolucionária, ansiosos por destruir os pilares da sociedade, são, além de desconhecedores dos princípios de sua própria atividade, altamente contraditórios.

Isso porque o fundamento de toda e qualquer ciência é absolutamente conservador. Por mais que isso soe quase como um insulto às pretensões aniquiladoras dos cientistas e fira seus espíritos iconoclastas, a atividade científica só se torna profícua quando exercida de maneira respeitosa ao que já existe.

O que é a prática científica senão a pressuposição de que há uma estabilidade no mundo que permite com que o cientista repita suas experiências diversas e diversas vezes, muitas delas por um longo período tempo, a fim de comprovar ou ver refutada sua tese? Afinal, se o mundo não oferecesse essa estabilidade, toda experiência seria nova e não se poderia fazer referência às anteriores, pois faltaria aquele elemento de continuidade que permite com que o cientista considere o que foi colhido como válido para suas conclusões atuais.

Além disso, é da prática científica o respeito pelas conquistas das experiências realizadas, considerando-as válidas e tomando-as como base para as experiências atuais e futuras. Não há vivência científica sem isso. E esta é a exata essência de um pensamento conservador, o qual prefere viver sustentado por aquilo que já foi conquistado.

Portanto, quando me deparo com um cientista de pensamento revolucionário, que tem como sua principal motivação o desejo de ver destruídas as conquistas de seus pares, com aquela ânsia por oferecer novidades, como se o papel principal da ciência não fosse, em vez disso, trabalhar sobre o que já existe, ocorrem-me sérias dúvidas sobre sua capacidade técnica, sua inteligência e, inclusive, sua honestidade.

A opinião dos cientistas

A ciência não tem a capacidade de descrever exatamente os fatos, em seu sentido mais profundo, mas seu papel se restringe a estabelecer qual é o processo por detrás deles.

Por isso, dar ouvido a cientistas, enquanto tais, em qualquer matéria que não seja a mera informação sobre como as coisas se dão é idiotice.

E é por isso que quando os cientistas se arrogam no direito de dar palpites em algo que vai além de suas observações técnicas acabam falando apenas besteiras.

Ainda assim, insistimos em colocá-los no ápice da pirâmide intelectual, subjugando-nos aos seus conselhos e sendo levados pela mesma volatilidade que é da própria natureza da pesquisa científica.

Então, o que ontem era bom hoje é ruim, o que foi saudável, agora faz mal e o que era verdade virou mentira. Tudo é tão volúvel que a impressão é que não existe mais sabedoria universal, nem conhecimento perene. Tudo parece instável e nada parece certo, tudo porque demos ouvidos demais a quem vive de contestar as próprias afirmações.

Assim, nos perdemos nesse vai e vem de teorias, só porque tratamos a ciência como uma deusa, quando ela não passa de um instrumento e nada mais.

A explicação forçada dos cientistas

Algo que me soa bastante irritante é a insistência dos novos cientistas de interpretar todo comportamento humano com base em uma suposta evolução. Observam algo que as pessoas fazem hoje e dizem que isso é fruto de um processo adaptativo iniciado nos primórdios. Li, por exemplo, que somos invejosos porque nos tempos das cavernas isso era uma forma de sobreviver ao ver que o caçador vizinho havia conseguido um pedaço de carne maior. Como é possível saber isso, senão por um exercício de imaginação? E, convenhamos, esta não é uma atitude nada científica.

Não quero negar que haja algum processo de adaptação. Não tenho os dados para isso, como ninguém tem para confirmá-lo. No entanto, essa explicação “ex post facto” me parece mais uma forma de forçar uma explicação convincente, ainda que ela não esteja disponível. É fruto desse problema que as pessoas têm de aceitarem que há coisas que, ainda que temporariamente, não podem ser entendidas.